Organização sindical dos docentes e das docentes da UFMS

Comitê contra Reformas da Previdência e Trabalhista em MS delibera pela construção da 2ª Greve Geral

Imprimir

31 de maio de 2017

Comitê contra a reforma eleitoral
Dirigentes avaliaram que medidas antirreformas ganharam força com o movimento Ocupa Brasília (Fotos: Elvio Vargas)

O Comitê contra as Reformas da Previdência e Trabalhista, composto pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), Força Sindical, Corrente Sindical Classista (CST) e Central Brasileira de Sindicatos (CBS), Central dos Trabalhadores e Trabalhadores do Brasil  (CTB) e mais de quarenta sindicatos dos setores público e prive Trabalhadoras ado, em reunião ocorrida na terça-feira (30-05), tiraram como principal tarefa a construção da segunda Greve Geral entre os dias 25 a 30 junho. O objetivo do movimento é barrar as reformas da Previdência e Trabalhista, fortalecer o Fora Temer e a convocação de eleição direta para escolha do novo presidente da República.

O Comitê ganhou o reforço do movimento artístico e a adesão de estudantes que disputam o Diretório Central das e dos Estudantes (DCE-UFMS), que tiveram a participação ativa na mobilização Ocupa Brasília que congregou mais de 150 mil trabalhadores brasileiros de todos os estados. A intenção é de organizar ato cultural no próximo dia 24 de junho, sábado, envolvendo artistas, atores, músicos. escritores, grafiteiros e pintores.

A ADUFMS-Sindicato esteve presente na atividade, representada pela secretaria geral, Maria Helena da Silva Andrada. A docente na ocasião denunciou a interferência da atual reitor do processo de escolha dos novos diretores de faculdades, desrespeitando a indicação dos mais votados no Faculdade de Educação de Campo Grande e no Centro Universitário de Coxim.

Comitê contra a reforma da previdêncial
Maria Helena (3ª d-e)  denunciou interferência da (Rei)toria no processo de escolha das novas direções da unidades setoriais da UFMS

Paralelo ao trabalho de construção da Greve Geral, as entidades que integram o Comitê se comprometeram em mobilizar trabalhadores para o Ato Diretas Já! marcado para sábado (03.06), 9h, no Calçadão da Barão. Nele será lançado o Plano Popular de Emergência da Frente Brasil.  Na próxima semana, está previsto o debate sobre as Reformas da Previdência e a Trabalhista, dia 10 de junho, 14h, na Câmara de Vereadores de Campo Grande. Em ambas as atividades estão previstas a participação de grupos de teatros e músicos que apoiam o Fora Temer e a Eleição Diretas Já.

Os dirigentes avaliam que a pressão das/os trabalhadoras/es em Brasília, mas o degaste do Governo Temer e do Congresso causado pelo envolvimento nas delações dos empresários do frigorífico JBS atrasou momentaneamente a tramitação dos projetos da reforma, no entanto, houve mudança do cenário político com à disposição do presidente Michel Temer em implantar pontos da reforma da Previdência por meio de medida provisória.

A nova tática do Governo Federal prevê a suavização de medidas em favor dos trabalhadores rurais e dos portadores de necessidades de especiais, no entanto, busca penalizar ainda mais os servidores públicos federais. O impasse para viabilização da MP esbarra na necessidade de mudanças na Constituição Federal para que as regras de aposentadoria no serviço público sejam alteradas.

Os participantes também decidiram ampliar a pauta de reivindicação apresentada pelo Comitê Contra a Reforma da Previdência e Trabalhista, incluindo pautas como desmilitarização das polícias, reforma do judiciário, regulamentação da mídia, fortalecimento do SUS, auditoria da Dívida Pública e reforma tributária que desonere o trabalhador e taxe os lucros e grandes fortunas.

Assessoria de Imprensa da ADUFMS-Sindicato