ADUFMS participa de audiência sobre Reforma Administrativa

24 ago, 2021 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire

Audiência na Câmara Municipal de Campo Grande contou com parlamentares e representantes de entidades

Deputados federais, vereadores e representantes de entidades sindicais participaram, nesta segunda-feira (23), de uma audiência pública ocorrida na Câmara Municipal de Campo Grande, para debater a Proposta de Emenda Constitucional 32/2020, a PEC da Reforma Administrativa. A ADUFMS esteve representada pelo professor Dr. Marco Aurélio Stefanes, presidente da entidade.

Marco Aurélio fez uso da palavra e ressaltou que o projeto é um caminho para a destruição dos serviços públicos. “Nós temos uma das maiores desigualdades do mundo e isso deveria nos envergonhar a todos; o que vemos é um projeto colocado pelo governo para aumentar essa desigualdade, aumentar a miserabilidade da população brasileira”, disse o professor.

O presidente da ADUFMS chamou ainda a atenção para a falácia que costuma ser utilizada em favor da Reforma Administrativa, de que haveria “privilégios” aos trabalhadores do setor público. “Eles colocam que o servidor público tem um salário médio de 2.500 reais, enquanto da população é 1.400. Esse é o parâmetro que o governo tem para defender essa famigerada PEC. É uma PEC para não gastar o dinheiro público com o servidor. Se não é para servir a população, para que é o serviço público?”, questionou.

“A gente não pode admitir que o ministro da Educação diga que a universidade tem que ser para poucos”, prosseguiu Marco Aurélio, em referência à fala de Milton Ribeiro à TV Brasil no último dia 10. “Nós queremos um Estado em que todos tenham acesso à universidade, todos tenham acesso à educação. É assim que o mundo se desenvolve, que a gente produz uma sociedade razoavelmente igualitária”, afirmou. “O que estão produzindo é um Estado em que eles querem mortos-vivos, que ficam batendo nos vidros dos carros, pedindo pelo amor de Deus para viver mais um dia”.

Marco Aurélio destacou ainda o papel decisivo do serviço público durante a pandemia. “Nós tivemos uma pandemia que mostrou a importância do serviço público, do profissional de saúde, da educação. Não existe desenvolvimento e emprego qualificado sem uma educação na mesma proporção, é para isso que temos que trabalhar. Não é para aqueles 120 bilionários encherem suas bolsas ainda mais”. 

O professor finalizou lembrando que a Reforma Administrativa serve apenas aos mais ricos do país. “Essa PEC é para esses 120 bilionários que eles estão fazendo, enganando o restante da população. Essa não é uma reforma para melhorar os serviços públicos, para produzir bem-estar social. É para acumulação de riqueza de uns poucos, e é isso que temos que dizer, não devemos apoiar essa PEC”.


Posição dos parlamentares

Estiveram presentes os deputados federais Dagoberto Nogueira (PDT) e Fábio Trad (PSD), que fazem parte da comissão que discute a PEC 32, além da participação remota de Vander Loubet (PT) e Rose Modesto (PSDB), ambos em Brasília. Todos os parlamentares se comprometeram a votar contra a proposta e trabalhar contra a aprovação dela.

Fábio Trad afirmou à reportagem que o debate com toda a sociedade é importante para pressionar os parlamentares a votarem contra a Reforma Administrativa. “Não é só o servidor público que vai convencer o deputado a votar contra esse absurdo, vai ser a sociedade. Para isso, nós precisamos mostrar a ela todo o despropósito do conteúdo dessa proposição. A pretexto de reformar, ela avilta. Ela degrada o serviço público e nós temos que combater”.

Já Dagoberto Nogueira declarou que o objetivo atual, entre os deputados que se opõem à PEC, é tentar impedir que ela seja votada neste ano. “Eu acho muito difícil a gente conseguir derrotar uma PEC que é de interesse do governo porque atende ao setor privado. A nossa estratégia é não deixar votar. Fazer obstruções para que ela não seja votada este ano, como ano que vem é eleitoral, os deputados que estão a serviço desses grandes interesses vão ficar constrangidos de ficar contra o serviço público, contra os trabalhadores”.

A PEC

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 32/2020 foi enviada pelo governo Jair Bolsonaro e pretende instituir a Reforma Administrativa, que muda as regras para os servidores públicos, acabando com a estabilidade, enquanto mantém as mesmas regras vigentes para magistrados, militares e parlamentares, justamente os servidores públicos que recebem os maiores salários e benefícios.

Se aprovada, a Reforma Administrativa representará a precarização dos serviços públicos, possibilitando contratos de caráter temporário e em regime de experiência, o que extinguiria o Regime Jurídico Único. Ao tirar do Estado a necessidade de contratar servidores por concursos, a PEC possibilita a nomeação de aliados para ocupar cargos públicos e retira a garantia de que os contratados realmente sejam qualificados.

Como parte da estratégia de “passar a boiada” durante a pandemia e aprovar projetos que fragilizam a situação dos trabalhadores, a PEC 32 foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e, segundo o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), deve ser votada “entre o final de agosto e início de setembro”. Caso seja aprovado mais uma vez, o texto segue para votação no Senado.

Compartilhe: