ADUFMS Seção Sindical discutirá adesão à paralisação de 48 horas nas universidades públicas

09 dez, 2019 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire







Com apoio docente, Seção Sindical vem participando de atividades para protestar contra o Future-se

– foto: Arnor Ribeiro/ADUFMS Seção Sindical ANDES Sindicato Nacional


⇒A DIREÇÃO DA ADUFMS SEÇÃO SINDICAL

vem discutindo a possibilidade de aderir à paralisação de 48 horas nas instituições federais de ensino, prevista para os dias 24 e 25 de setembro, em processo de construção a partir de deliberação de reunião no Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superir  (

ANDES-SN

). O movimento paredista deverá ser deliberado em assembleia geral a ser convocada pela entidade na próxima semana e costurado com o Diretório Central das e dos Estudantes da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (

DCE-UFMS

) e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e dos Institutos Federais de Ensino, no Estado de Mato Grosso do Sul (

Sista-MS

).

Na reunião no

ANDES-SN

, ocorrida nos dias 24 e 25 de agosto em Brasília, representantes de entidades docentes de todo o país decidiram construir a paralisação nacional da educação contra os cortes orçamentários, o Future-se e as intervenções do governo na indicação de reitores.

A proposta é de que nos dois dias de paralisação ocorram ocupação das universidades, institutos federais e Cefets (centros federais de Educação Tecnológica).  Outra proposta deliberada na Comissão Nacional de Mobilização é a organização em outubro do dia nacional das universidades, institutos federais e Cefets em praças públicas e a realização do Dia da Universidade de Portas Abertas, antes da paralisação.

A crise orçamentária das universidades federais brasileiras chegou ao topo com o Governo Bolsonaro, sem precedentes até mesmo no Governo Fernando Henrique Cardoso. A UFMS sofreu o segundo maior corte orçamentário das universidades brasileiras, mais de R$ 80 milhões. Não foi considerada sequer a afinidade atual da instituição às políticas desenvolvidas pelo Ministério da Educação (MEC), sob o ponto de vista de gestão. Centenas de bolsas de iniciação científica e Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid) foram cortadas de forma abrupta, prejudicando o andamento de pesquisa e projetos de extensão já em andamento, além de dificultar a permanência e descolamentos dos/as alunos/as.

Na pós-graduação os cursos encontram dificuldade para conseguir o pagamento de passagens e diárias de docentes de outras instituições para compor bancas e avaliação de dissertações, prejudicada por ser feita via internet. A participação em eventos científicos para apresentação de trabalhos e artigos, necessários à contagem de produção acadêmica de docentes e estudantes de mestrado e doutorado, vem sendo feita a conta-gotas ou com recurso das/os interessadas/os.

Caso não haja descontingenciamento de verbas nas próximas semanas, a UFMS terá dificuldade de quitar compromissos como o pagamento de luz, segurança, manutenção e itens essenciais para o funcionamento, como material de higiene e de laboratório, o que já vem sendo denunciado na imprensa local.



Assessoria de Imprensa da ADUFMS Seção Sindical ANDES Sindicato Nacional

Compartilhe: