Andes-SN insiste em negociação para impedir desestruturação da carreira

01 jan, 1970 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire



foto destaque


Foto baixada do

site

do Andes-SN

O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) protocolou, na tarde de quinta-feira 17, no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Mpog) carta na qual responde ao governo sobre as propostas para os docentes federais e reivindica a reabertura de negociação. Mesmo diante de respostas evasivas do governo federal e da intransigência na negociação, o Andes-SN segue demonstrando disposição para negociar os melhores termos para a categoria.

A Carta 289/2015 do Andes-SN responde ao

Ofício 26535.2015

da Secretaria de Relações de Trabalho no Serviço Público do Mpog (SRT-Mpog), afirmando que o governo não se posiciona sobre os itens da contraproposta dos/as docentes federais que não o do reajuste salarial. A carta também afirma que a SRT-Mpog desconsidera as propostas feitas pelo Andes-SN que não apresentam impacto orçamentário imediato.

O Andes-SN ainda ressalta sua proposta pela criação de um Grupo de Trabalho (GT) sobre carreira para o ano de 2016, com aplicação em 2017. “É uma lástima que o Mpog tenha suspendido a negociação, sobretudo nos temas relacionados à carreira. Eles querem formalizar, até 2019, grandes distorções na carreira de docente federal, o que não aceitamos. Por isso, continuamos insistindo na negociação e no GT para o ano de 2016”, afirma Paulo Rizzo, presidente do Andes-SN.

O docente também cita a urgência do enquadramento dos/as aposentados/as – outro item não respondido pela SRT-Mpog. “Queremos que os aposentados possam ter promoção a associado, o que garantiria que não se aprofundassem ainda mais as diferenças salariais entre eles e os professores da ativa”, completa Paulo Rizzo.

Confira

aqui

a carta enviada pelo Andes-SN ao Mpog.



Andes-SN

Compartilhe: