Apoiado pela ADUFMS, evento com Ricardo Antunes tratou da precarização do trabalho

26 ago, 2021 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire

Webinar inaugurou ciclo de palestras onlineNesta quarta-feira (25), ocorreu o primeiro webinar do circuito de palestras organizado pelo Laboratório de Saúde Mental do Trabalhador (Lasmet) do Câmpus Pantanal (CPan) da UFMS. O palestrante foi o professor Dr. Ricardo Antunes, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp.

Antunes falou sobre a precarização do trabalho durante a pandemia, citando as diversas perdas de direitos da classe trabalhadora durante o período da pandemia de Covid-19 em todo o mundo, sobretudo no Brasil, onde os há cada vez menos direitos trabalhistas desde o golpe de Estado ocorrido em 2016, e onde o governo de Jair Bolsonaro consolida o projeto neoliberal de sucateamento de serviços públicos por meio do ministro da Economia, Paulo Guedes.

O professor respondeu a questionamentos do público, entre eles o do presidente da ADUFMS, Marco Aurélio Stefanes, que perguntou como Antunes vê o papel dos Fundos Patrimoniais, presentes no "Future-se", programa neoliberal de desmantelamento da universidade pública gratuita, recém-aprovado na UFMS e proposto pelo ex-ministro da Educação na gestão Bolsonaro, Abraham Weintraub. 

O palestrante respondeu que o Future-se tem objetivo de eliminar a universidade pública e o chamou de "Passado-se". De acordo com Antunes, o projeto visa retornar a uma época pré-universidade pública. "Todas as propostas que estão vindo neste governo estão no sentido de desmontar a reflexão científica. Não fosse a ciência, os brasileiros estariam tomando cloroquina e morrendo não 600 mil, mas 2 milhões", afirmou.

"O projeto do Future-se deve ser estudado similarmente ao da Reforma Administrativa", ressaltou Antunes. "O objetivo do governo na Reforma Administrativa não é tornar o Estado melhor. É destruir a carreira pública", prosseguiu. "Como é que você faz para privatizar a universidade pública? Você vai destruindo o corpus acadêmico de reflexão. Então você acaba com o trabalho em tempo integral, com a pesquisa, dedicação integral. Se nós recebermos por hora/aula, nenhum de nós vai fazer mais pesquisa". 

Confira a palestra na íntegra no link:

Compartilhe: