Assembleia Geral da ADUFMS transferida para sexta-feira

01 jan, 1970 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire

A Assembleia Geral que

POST HORIZONTAL ASSEMBLEIA 23-09-2015 - Cópia


vinha ocorrendo de forma continua toda a quarta-feira foi transferida, excepcionalmente, nesta semana para a sexta-feira (25.09), às 14h, no auditório do CCHS. A decisão é do Comando de Greve, reunido na segunda-feira, tendo em vista a participação da delegação de docentes e estudantes da UFMS, no dia nacional de lutas com atos e paralisações, marcado para hoje em Brasília, em frente ao MEC e ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e expectativa de novidades nas negociações com o Comando Nacional de Greve.

A expectativa da coordenação é que pelo menos o Governo sinalize pelo menos com uma proposta oficial de reposição salarial à categoria e de reestruturação da carreira, o que até o momento não ocorreu, depois da recusa dos docentes da UFMS à proposta do parcelamento anual em quatro vezes. Em ofício encaminhado a Federação dos Sindicatos de Trabalhadores Técnicos-administrativos  em Instituições de Ensino Superior (Fasubra), no dia 21 de setembro, o MPOG confirmou o reajuste de benefícios para janeiro de 2016, a aplicação da majoração do “step” na carreira, também confirmada , na mesma data.

Já em relação aos docentes, o MPOG não deu resposta sequer a redução do índice de reposição de 19,7% em duas vezes (2016 e 2017) aprovada pelas assembleias dos docentes da UFMS , a pedido Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasef) e também referendado pelo ANDES Sindicato Nacional.  De concreto, apenas a proposta de parcelamento de 10,6% em nove duas vezes anuais, apresentada pelo Governo  para a Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (CONDESEF), mais também recusada por diversas categorias.

O Comando de Greve dos Docentes da UFMS reforça a necessidade de manter e ampliar o nível de mobilização da greve na universidade, mesmo com a revogação da decisão do Conselho de Ensino de Graduação (COEG) de retornar o calendário escolar e aprovar o início do segundo semestre, com a quebra do pré-requisito, que vai gerar a existência de três calendários de aula simultâneos e bagunçar a vida acadêmica de estudantes e a rotina de trabalho dos professores.

Com o Pacote de Ajustes Econômicos em discussão no Congresso, as bases de negociação desenvolvida até então com o Governo Federal ficou praticamente zerada.  Na avaliação do Comando de Greve, o “Pacotaço”  atinge diretamente o serviço público, postergando os reajustes salariais somente para o mês de agosto de 2016, suspende concursos públicos e acabar o abono de permanência, benefício remuneratório pago a servidores que já atingiram a idade para se aposentar, mas que permanecem na função.  Sem concurso, ou permanência dos aposentados, a falta de professores nas instituições federais de ensino vai agravar.

As decisões no campo político e econômico do País, nesta semana, é crucial para as negociações salariais em curso e a defesa da universidade pública, por isso o Comando de Greve conclama todos a se manterem engajado na mobilização de greve, conversar e discutir com os colegas de curso, no sentido de manter a paralisação.

Para o Comando de Greve, somente desta forma a categoria poderá arrancar o compromisso de o Governo Federal repor parte das perdas salariais e propostas efetivas para a reestruturação da carreira, reduzindo as diferenças de níveis vigentes atualmente.

Contamos com a participação de todos nesta assembleia de sexta-feira.

Assessoria de imprensa da ADUFMS

Compartilhe: