Assembleias reiteram disposição de negociar alternativas com relação a sede da ADUFMS-CPAQ

01 jan, 1970 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire







Docentes aprovaram que a direção da

ADUFMS-Sindicato

persista na tentativa de se reunir com  administração central da UFMS

(Foto: Gerson Jara/ADUFMS-Sindicato)

Docentes presentes à Assembleia Geral na terça-feira (23-10-2018) aprovaram que se abra negociação solicitando que o processo judicial de reintegração de posse da sede da

ADUFMS-Sindicato

no Câmpus de Aquidauana (CPAQ) seja substituído por processo de diálogo entre a entidade e a Reitoria da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), para efetivação de acordo.

Na Assembleia foi apresentado vídeo em que a presidenta da

ADUFMS-Sindicato

, Mariuza Aparecida Camillo Guimarães, e  o diretor da entidade no CPAQ, Carlos Martins Junior, explicam com detalhes todo o andamento do trâmite de desapropriação, inclusive sobre a primeira audiência ocorrida entre as partes na Justiça Federal.

A dirigente e o dirigente sindicais destacam as várias tentativas de negociação com a administração central da UFMS, que não quis atender a entidade para tratar da questão.

As/os participantes da reunião da terça-feira 23 criticaram a decisão da Reitoria de mover o processo jucialmente sem nenhum diálogo prévio com a direção do Sindicato. Consideraram lamentável o fato de se judicializar uma questão que poderia facilmente ser negociada e acordada. Disseram que a posição autoritária da administração central da UFMS só poderia ser entendida como retaliação política à postura da

ADUFMS-Sindicato

em relação à defesa dos interesses da categoria e da universidade pública.

A construção da sede do Sindicato no CPAQ foi autorizada pelo Conselho Diretor (CD) em 2003, mediante contrato de comodado. Toda a documentação foi entregue à Pró-Reitoria de Administração, mas ficou engavetada e não tramitou. Por solicitação da própria UFMS, a sede da

ADUFMS

na Unidade II do CPAQ ofereceu serviços  tercerizados de xerox e refeição, em razão da distância da área comercial de Aquidauana.

Conforme reunião ocorrida na Justiça Federal entre as partes envolvidas no processo,  Mariuza Aparecida relatou que a intenção da UFMS é de desapropriar a sede do Sindicato para instalação de restaurante universitário. Todavia, para tomar a decisão de expedir a liminar, o magistrado solicitou que a UFMS confirmasse a disponibilidade de recursos para o início da obra, bem como estudos sobre o custo  de reforma, em comparação à construção de uma nova sede. Antecipou, no entanto, que a

ADUFMS-Sindicato

não poderia funcionar dentro do CPAQ por conta de lei federal.

Carlos Martins Junior confirmou a intenção da

ADUFMS-Sindicato

de sair da área do CPAQ, por falta de liberdade de se promover ações em defesa da democracia e da universidade pública. O professor discorda, no entanto, do pedido formulado pelo setor jurídico da UFMS, que pede a cobrança de aluguel respectivo a todos anos de  funcionamento da sede no local. Martins Junior defende que a administração central da Universidade faça, no mínimo, ressarcimento atualizado dos investimentos realizados [email protected] [email protected] na construção da sede sindical, sob pena de a instituição ser responsalizada judicialmente [email protected] [email protected] Ressalta ainda que a obra foi executada mediante autorização de instância máxima da UFMS. A proposta de contrato de cedência, no entanto, não foi efetivado por falha da pró-reitoria responsável. Logo, não houve litigância de má-fé por parte do Sindicato.

GRUPO DE TRABALHO

Docentes de Campo Grande também aprovaram a criação do Grupo de Trabalho (GT) em defesa da universidade pública. Definiu-se por consenso que  as/os docentes presentes à Assembleia  vão integrar o GT. Entre as tarefas aprovadas está o papel de assessorar as/os representantes da

ADUFMS-Sindicato

na Comissão de Assessoramento da UFMS,  aprovada na última reunião do Conselho Universitário (Coun) para estudar medidas contra a privatização da universidade pública.

Participantes da Assembleia  foram favoráveis à realização de seminário em defesa da universidade pública, em conjunto com representantes da UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul), da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) e do IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul), com data indicativa de 22 de novembro de 2018. Ficou estabelecido que o grupo indicado se reúna no dia 30 de outubro pela manhã na sede da

ADUFMS-Sindicato

.



Assessoria de Imprensa da ADUFMS-Sindicato

Compartilhe: