Consulta pública sobre MP que agride democracia nas instituições federais de ensino. É preciso dizer não!

01 set, 2020 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire

Jornal da Ciência, segunda-feira, 6 de janeiro de 2020 

⇶ O SENADO FEDERAL abriu consulta pública para votação da Medida Provisória (MP) 914/2019, que altera o processo de escolha dos dirigentes das universidades federais, dos institutos federais e do Colégio Pedro II. A votação pode ser feita através deste link para usuários cadastrados. 

Publicada na noite do dia 24 de dezembro em edição extra do Diário Oficial da União, a MP tornou obrigatória a elaboração de lista tríplice no caso dos institutos federais e estabeleceu os percentuais de participação de professores, estudantes e funcionários em 70%, 15% e 15% respectivamente, na escolha de reitores de universidades. Segundo o texto, o reitor será escolhido e nomeado pelo presidente da República entre os três candidatos com maior votação, não necessariamente o mais votado entre eles.


Arte: DCE/UFG


A regra atual prevê que institutos encaminhem apenas um nome para reitor e, no caso das universidades, muitas instituições faziam votação paritária entre as categorias. Outra mudança é que os diretores-gerais de campi passam a ser nomeados pelo reitor, acabando com eleições que vários institutos faziam para os cargos.

No dia 26/12, o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif), que reúne os institutos, divulgou uma nota oficial contrária à MP 914/19. O documento defende a manutenção da nomeação dos gestores eleitos em processos democráticos, “por respeitar as escolhas das comunidades acadêmicas, cujos pleitos são realizados com transparência e de acordo com os ritos legais”.

A entidade afirma que a MP 914 está “na contramão da democracia” por ferir a lei de criação dos institutos federais (Lei nº 11.892/2008), se sobrepondo à autonomia das instituições. “As mudanças impostas ao processo de consulta representam um retrocesso à construção de um procedimento eleitoral historicamente exitoso e bem definido, no qual a paridade entre as categorias – estudantes, professores e técnico administrativos –, a indicação (única) do candidato vencedor e a eleição de diretores-gerais refletem o reconhecimento dos diversos segmentos da comunidade e fortalecem a institucionalidade da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica”, ressalta o Conselho.

Para a Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), faltou debate com as instituições envolvidas e a “relevância e urgência” para tratar o tema com medida provisória. Em nota oficial, a entidade afirmou que, além do desrespeito à autonomia administrativa das Universidades, a MP atinge o papel de representação dos conselhos superiores das instituições. “Suprimir o papel desses colegiados, bem como ignorar as culturas democráticas internas das universidades mediante critérios alheios às suas histórias, significa potencialmente desestabilizar e convulsionar seus processos políticos, sobretudo pela imposição de critérios que favoreçam a nomeação de pessoas não-legitimadas pelas próprias comunidades universitárias. Afinal, escolher seus próprios dirigentes é decorrência básica da autonomia universitária e princípio irrenunciável de nossas instituições.”

Compartilhe: