Coordenação do Comitê contra a Reforma da Previdência de MS confirma fortalecimento da greve geral do dia 28 de abril

01 jan, 1970 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire



greve geral coletiva.


Coordenação do Fórum confirmou a adesão de mais 15 categorias em todo o Mato Grosso do Sul e espera que adesão supere 20 mil trabalhadores

 

A coordenação do Fórum Estadual contra a Reforma da Previdência e a Reforma Trabalhista confirmou, em entrevista coletiva realizada nessa quarta-feira, às 14h, na sede do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil e do Mobiliário, em Campo Grande,  o crescimento na adesão à greve geral convocada pelas centrais sindicais e os movimentos sociais para o dia 28 de abril, sexta-feira. A expectativa é que a quantidade de participantes superem os 20 mil do último dia 15 de março.

Em Campo Grande está confirmada a paralisação dos trabalhadores do transporte coletivo urbano, intermunicipal e estadual. Os bancários e vigilantes também confirmaram em assembleia à adesão ao movimento. Trabalhadores da construção civil e do mobiliário e da construção pesada, incluindo as rodovias pedagiadas, também vão cruzar os braços, aderindo à greve geral.

Os Correios e Telégrafos entraram em greve permanente neste dia contra o processo de privatização da estatal. Em todo o Estado, os eletricitários e os trabalhadores em frigoríficos também suspenderão as atividades. Já a Federação dos Trabalhadores no Comércio também está conclamando os comerciários a cruzarem os braços e participarem da concentração marcada para as 9h, na Praça Ari Coelho, em Campo Grande, de onde deverão partir em passeata pelas ruas centrais da cidade.

A presidenta da ADUFMS-Sindicato, Mariuza Guimarães, confirmou a adesão dos professores da UFMS à greve geral, decisão tirada em assembleias realizadas em Campo Grande e nos campi do interior, nessa quarta-feira. Vários cursos de graduação e pós-graduação já avisaram aos estudantes sobre a suspensão das aulas na sexta-feira.

Para a presidenta, a intelectualidade brasileira não pode se furtar do papel histórico de aceitar os retrocessos previdenciários e de relações de trabalho conduzida pelo Governo Temer, lembrando que a receita neoliberal em curso já fracassou em diversos países do mundo, que estão revisando os cortes de benefícios previdenciários e de políticas sociais, enquanto no país se caminha na contramão. Ressaltou que o próprio Fundo Monetário internacional – FMI, órgão gestor das finanças dos países ricos, apontou que as decisões tomadas pelo Governo Federal, com o aval dos setores majoritários do Congresso, aprofunda o quadro de pobreza e desigualdade do Brasil.

A concentração dos professores da UFMS acontecerá às 8h00, em frente ao prédio do INSS. A mobilização contará com a adesão de outras categorias do serviço público federal. Já os servidores públicos estaduais: policiais civis, militares, saúde e outros ramos marcarão concentração às 8h, no ginásio da MACE. Os professores da rede municipal se concentrarão na ACP e os das redes estaduais de outros municípios, na sede da Fetems.

As atividades também contarão com a participação dos trabalhadores do Movimento Sem-Terra, Movimentos Populares de Luta, indígenas e de ativistas culturais.

Confira a convocação a greve pela presidenta da ADUFMS, Mariuza Guimarães

Compartilhe: