Docente da UFMS alerta para guerra de desmonte do SUS no Brasil

01 jan, 1970 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire







Pesquisador Rivaldo Cunha defende investimento em sistema de esgotamento como meio de prevenir doenças

– foto: Norberto Liberator

O médico infectologista e diretor da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em Mato Grosso do Sul, professor titular da Faculdade de Medicina (Famed) na UFMS, Rivaldo Cunha Flores, disse que é possível haver guerras biológicas, mas que “talvez piores sejam as guerras provocadas por interesses de grandes potências como os Estados Unidos, que bombardeiam todo o sistema público – abastecimento, hospitais, redes de esgoto, escolas”. Reclamou ainda que o fechamento da Farmácia Popular foi um prejuízo imenso e representou mais um ataque à população pobre do Brasil.

A avaliação aconteceu na palestra, “Desafios da saúde pública: movimentos antivacina e controle de epidemias”, ministrada na última quarta-feira (24), a partir das 19h, no salão de eventos da

ADUFMS Seção Sindical

.

De acordo com o professor, o maior problema de saúde pública no Brasil é a violência. Afirmou que entre 65 mil e 70 mil pessoas foram assassinadas no Brasil em 2018 e cerca de 60 mil morreram em acidentes de trânsito. “A maioria é de trabalhadores, basta notar os horários em que ocorrem esses acidentes”, apontou.

Cunha reiterou que devemos defender o Sistema Único de Saúde (SUS) e que os principais atendimentos da rede pública não têm origem em problemas de saúde. Segundo ele, a depressão e a hipertensão arterial, representam boa parte das assistências, comumente causadas por estilo de vida, estresse, desemprego, trânsito e poluição. Indicou que de 20% a 25% dos brasileiros jovens apresentam quadro depressivo e que, entre a população com mais de 50 anos, quase 50% foram diagnosticados com hipertensão.

De acordo com o professor, a

chikungunya

não teve a atenção que merecia no momento em que os casos começaram a surgir, em 2009, embora os especialistas da área da saúde já apontassem o problema. “Eu falava tanto disso, que os alunos me apelidaram de ‘Professor Chikungunya’”, afirmou em tom de brincadeira. Ele acredita que a epidemia de doenças causadas pelo mosquito

Aedes aegypti

não serão resolvidas apenas com vacinas e que “é preciso criar uma cultura de preservação”.

Faz-se necessário, segundo Cunha, que o sistema de água tratada e a rede de esgoto sejam aperfeiçoados. O professor apontou a ligação existente entre a crise hídrica e a falta de abastecimento regular, que leva a população armazenar água em qualquer lugar para garantir que não haverá falta. “Há uma ausência de políticas de comunicação,  conversar com a população sobre isso, só se faz campanha em momentos específicos e não durante o ano todo”.

A violência urbana foi outro fator indicado, pois “em poucos países há tantos lugares inacessíveis ao Estado, como áreas controladas pela milícia ou tráfico, nas quais é preciso autorização para entrar”. Ele afirmou que o Brasil sofre de problemas de saúde em vários aspectos: pública, mental, da sociedade e da economia; e que, com a reforma da Previdência, a tendência é o aumento dos problemas de saúde relacionados a estresse, cansaço ou esforço excessivo.

Além das questões relacionadas à saúde pública, Cunha também falou sobre a defesa do ensino superior público e gratuito. “A universidade deve ser local de debate. Professores trabalham muito, não se faz balbúrdia por aqui e sim pesquisa, trabalho”. Indicou que “tão ou mais importante quanto não haver cortes na educação, saúde e tecnologia, é haver crescimento econômico e social, com responsabilidade ambiental e de saúde pública”.

Após a explanação, os espectadores perguntaram sobre a queda nos índices de vacinação. Cunha respondeu que “o problema de baixa taxa de vacinação é muito mais devido à falta de manutenção do que a movimentos antivacina”. Lembrou que as campanhas no Brasil historicamente tiveram sucesso, junto às de combate ao tabagismo e a doenças sexualmente transmissíveis (DST).

O docente afirmou que o sistema privado avança, mas “há muita coisa que só o setor público vai lidar porque não gera lucro”. Ele apontou que cerca de 80% dos medicamentos contra a febre amarela no mundo são produzidos pela Fiocruz. “Grandes empresas não vão querer patente de doenças não lucrativas”. De acordo com o professor empresas privadas “barateiam remédios para estrangular a indústria pública e, depois de feito, jogam o preço lá no alto”.

Esclareceu que as “políticas de habitação popular também são importantes e têm sido deixadas de lado pelo governo federal” e defendeu “um sistema de saúde que trate os desiguais de forma desigual, adaptada às necessidades específicas de cada comunidade e grupos sociais”. Propôs a criação de grupos de apoio entre amigos ou colegas de faculdade e trabalho para que as pessoas desabafem, sejam orientadas a procurar ajuda profissional e não se isolem.



Norberto Liberator

Compartilhe: