Docentes fazem assembleia nesta segunda-feira 26; na pauta, reformas trabalhista e da Previdência

01 jan, 1970 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire


Assembleia Geral 26 de junho


Docentes da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) fazem na Cidade Universitária em Campo Grande e em todos os câmpus da interior assembleia geral nesta  segunda-feira 26 para debater e deliberar sobre Greve Geral na sexta-feira 30 de junho.  Antes de discutir sob o movimento paredista centrado na luta contra as propostas do governo federal que, se aprovadas no Congresso Nacional, vão causar forte impacto com a eliminação de direitos trabalhistas e previdenciários, haverá informes.

A assembleia acontecerá simultaneamente no mesmo dia (segunda-feira 26 de junho, às 13h30min) em Campo Grande e nos

campi

do interior de Mato Grosso do Sul. Na Capital sul-mato-grossense, as/os professoras/es vão se reunir no Anfiteatro da Faculdade de Artes, Letras e Comunicação (FAALC), antigo Anfiteatro do CCHS, na Cidade Universitária. No interior a assembleia será em espaços definidos pelas representações locais.

Confira abaixo posicionamento das centrais sindicais sobre a primeira derrota do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 38/2017 (reforma trabalhista) em comissão do Senado Federal.


NOTA OFICIAL

São Paulo, 21 de junho de 2017


VITÓRIA no CAS fortalece luta da classe trabalhadora

Parabenizamos os bravos senadores e senadoras – Ângela Portela (PDT), Humberto Costa (PT-PE), Paulo Paim (PT-RS), Paulo Rocha (PT), Regina Sousa (PT), Otto Alencar (PSD), Hélio José (PMDB), Eduardo Amorim (PSDB), Lídice da Mata (PSB), Randolfe Rodrigues (Rede) – que, no dia 20 de junho de 2017, votaram contra o relatório da proposta de reforma trabalhista, o PLC 38/2017, na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal.

Esta proposta acaba com direitos trabalhistas consagrados pela Constituição Federal e sua rejeição na CAS, por 10 a 9, foi uma vitória para os trabalhadores.

Ficou demonstrado que a luta no Congresso Nacional somada à luta do povo nas ruas foi capaz de desequilibrar a base de apoio de Michel Temer e alcançar esse importante resultado. Neste contexto, as centrais sindicais e seus sindicatos filiados têm desempenhado um papel crucial de resistência e pressão, desde que esta nefasta reforma trabalhista foi proposta.

Embora a tramitação prossiga e os trabalhadores ainda estejam ameaçados, a derrota política sofrida pelo governo, que já dava como certa a aprovação da proposta em todas as instâncias, fortalece a nossa luta e alerta a sociedade para o que está em jogo com as reformas trabalhista e previdenciária.

Essa vitória comprova a importância e a grandeza da luta e da unidade da classe trabalhadora contra a retirada dos direitos sociais, contra os ataques à CLT e contra o fim da Previdência Social.

Seguiremos, desta forma, sempre firmes e mobilizados em defesa dos direitos da classe trabalhadora.

Antonio Neto

Presidente da CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros

Adílson Araújo

Presidente da CTB – Central dos Trabalhadores Brasileiros

Vagner Freitas

Presidente da CUT – Central Única dos Trabalhadores

Paulo Pereira da Silva – Paulinho da Força

Presidente da Força Sindical

José Calixto

Presidente da NCST – Nova Central Sindical dos Trabalhadores

Ricardo Patah

UGT – União Geral de Trabalhadores.

Compartilhe: