Geografia da Faeng-UFMS se posiciona a favor de suspender atividades didático-pedagógicas

05 set, 2020 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire

"Nós docentes do Curso de Geografia – Bacharelado, preocupados com o quadro atual, solicitamos a suspensão do calendário acadêmico 2020.1, no período de enfrentamento ao COVID-19"


EM CARTA ABERTA à direção da Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo e Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (Faeng-UFMS) professoras e professores da Geografia – Bacharelado informaram que apoiam a suspensão do calendário acadêmico. A posição da docência, via ofício assinado eletronicamente, reflete levantamento que envolve 130 estudantes (75,15%) matriculadas/os no primeiro semestre 2020 na Geografia – Bacharelado. 

A mudança repentina de aulas presenciais para atividades remotas de estudo dirigido, por consequência da pandemia de covid-19, tem afetado a participação bem como o aproveitamento de alunas e alunos. A pesquisa aponta que a evasão no semestre é de 44,35%. 

Sobre a utilização das ferramentas digitais, 26,4% das/os acadêmicas/os afirmaram estar acompanhando com facilidade as atividades.  A exclusão digital também é notada quando 15,1% reclamam que precisam utilizar a internet de terceiros para acompanhar os conteúdos.


Arte reproduzida de ProPP-UFF


O novo formato de ensino resultou em obstáculo de compreender os conteúdos por 78,6% das e dos estudantes pesquisada(o)s. Boa parte das/os aluna(o)s considera baixo o nível de aprendizado a distância. Diante desse problema, 78,5% da discência de Geografia – Bacharela participante do levantamento foi favorável à suspensão do calendário acadêmico. 

De acordo com docentes, o Curso é noturno. Expressivo número de acadêmica(o)s são trabalhadora(e)s ligada(o)s às mais diferentes atividades funcionais.


"Esses acadêmicos e docentes são afetados diretamente pela reorganização do processo de ensino-aprendizagem de um curso que passou repentinamente de presencial para a aplicação de diferentes metodologias para viabilização do ensino dirigido de forma remota”, analisa a docência na carta.


As/os docentes signatária(o)s da carta listam diversas dificuldades apresentadas tanto para docentes como para estudantes

  • “A participação dos acadêmicos nas atividades tem sido baixa, variando de 15% a 60% dos matriculados nas disciplinas. 


  • Dificuldades dos acadêmicos em obedecer aos prazos para entrega dos trabalhos. 


  • Dificuldades dos docentes em gerenciar as diferentes plataformas de TICs [Tecnologias da Informação e Comunicação]. 


  • Acadêmicos e docentes enfrentam problemas técnicos relacionados à latência da rede: velocidade, travamentos e problemas na internet


  • Problemas nos estudos dirigidos, pois os acadêmicos encontram dificuldades na compreensão dos textos para solução dos exercícios, o que leva a não consecução dos trabalhos solicitados. 


  • A maioria dos docentes não têm treinamento na metodologia relacionada à EaD [Educação a Distância].

 

  • Impossibilidade de realização das aulas práticas nos laboratórios, principalmente dos trabalhos de campo que são essenciais no Curso de Geografia.” 

Somam-se aos pontos elencados “as inquietações referentes às ameaças à saúde e à renda, o que causa preocupações na comunidade acadêmica em sua totalidade”. 

"Nós docentes do Curso de Geografia – Bacharelado, preocupados com o quadro atual, solicitamos a suspensão do calendário acadêmico 2020.1, no período de enfrentamento ao COVID-19", expressam as pessoas que assinam a carta.

Assessoria de Imprensa da ADUFMS Seção Sindical ANDES Sindicato Nacional

Compartilhe: