Governo Bolsonaro exclui ciências humanas de edital de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC)

12 jan, 2020 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire

CNPq abre chamada para 25 mil bolsas que  que excluem as áreas de Humanidades, Artes e Ciências Sociais

O CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) publicou uma chamada para 25 mil bolsas do PIBIC – Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica, em que exclui as áreas de Humanidades, Artes e Ciências Sociais.  A partir da medida, as bolsas serão destinadas exclusivamente  às “tecnologias prioritárias” que envolvem as tecnologias de produção, estratégicas, tecnologias do desenvolvimento sustentável, qualidade de vida e tecnologias habilitadoras. A declaração do CNPq aponta que somente serão tolerados os projetos de ciências humanas que estejam diretamente ligados às “tecnologias prioritárias”.

Para a Profa. Fabiany de Cássia Tavares Silva,  Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFMS (PPGEDU) – o mais antigo da instituição – restringir as bolsas de ciências humanas a apenas aquelas ligadas às “tecnologias prioritárias” significa ignorar a importância das diversas áreas do conhecimento e sua relação transversal na produção científica, inclusive no que diz respeito à produção de inovações e soluções em temas comuns. “No contexto das ciências humanas e mais especificamente da

educação, trata-se de um processo inconstitucional, pela negação dos direitos aos conhecimentos aprofundados das questões que influenciam sobremaneira a qualidade da formação humana, excluindo qualquer possibilidade de reflexão crítica acerca do conhecimento, da sociedade, das contribuições já consolidadas das pesquisas realizadas pelas Universidades brasileiras”, alerta a professora.

Silva relata o contexto da pandemia como exemplo, para enfatizar a importância da transversalidade e do trabalho em conjunto das ciências humanas com as tecnologias consideradas "prioritárias" pelo CNPq: “Na pandemia sanitária que estamos vivendo, a escola e o processo educacional colocam em xeque o cotidiano normalizado de uma sociedade, impondo a recorrência às ciências da educação em suas produções em interface com a Psicologia, Sociologia, Filosofia e, particularmente, a Política Educacional, para responder a contundente questão “quando a escola deve retomar suas atividades?”, ressalta. 

De acordo com a Coordenadora, as Ciências Humanas são sim prioritárias e esta medida, inconstitucional, tem origem de fato na agenda do atual governo: “Parece-me que para o projeto de País em curso, não são necessárias pesquisas de ponta ou de excelência e, por isso, para que financiá-las por meio das Universidades Públicas? Ainda mais envolvendo jovens que irão desenvolver interesses por temáticas que mobilizam estudos da ciência produzida e a produzir”, ironiza.

 

A medida tem causado uma forte reação nas redes sociais e indignação entre docentes,  estudantes e profissionais das áreas de Ciências Humanas e Sociais que consideram a ação bolsonarista como mais um ato vindo de um projeto de governo obscurantista que se recusa ao debate e à análise da realidade social brasileira.

Para o presidente da ADUFMS, Prof. Marco Aurélio Stefanes, se trata de mais um ataque brutal à ciência e à academia brasileira, especialmente às Universidades Públicas. “O PIBIC é um programa estratégico que tem como objetivo incentivar jovens pesquisadores a produzir novos conhecimentos científicos. Se não há a possibilidade de uma formação de em todas áreas e temas, o que podemos esperar do futuro da ciência brasileira?”, questiona. 

O professor salienta o profundo caráter tecnicista da medida que busca reprimir qualquer possibilidade de reflexão aprofundada nas universidades brasileiras. “Não podemos permitir que atos como esse sigam acontecendo, medidas que querem impedir a pesquisa, o pensamento crítico e o debate sério sobre a realidade social do país. Por isso, convoco a todas e todos para que manifestem-se e participem de atos de luta contra mais esse ataque à ciência e à educação brasileira”. 

Compartilhe: