Greve tem de se fortalecer para arrancar conquistas do governo federal, aponta Assembleia da ADUFMS

01 jan, 1970 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire



DSC00997



Assembleia em Campo Grande vota pela não-inclusão da discussão sobre o fim da greve

(Foto: Gerson Jara/ADUFMS-Sindicato)

Os/as docentes da UFMS, reunidos/as em assembleia em todos os

campi

, mantêm firme o movimento de greve, destacando que a forte adesão é uma forma de fazer com que o governo federal melhore a proposta de reajuste, acenando, ao menos, com a correção de distorções na carreira da categoria. Esse foi o mote principal da proposta encaminhada pelo Comando Nacional de Greve do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (CNG-Andes-SN) discutida e aprovada por professores/as: “A unidade do Fórum das Entidades Nacionais de Servidores Públicos Federais rejeitou a proposta de reajuste em quatro anos, levando o governo a apresentar, para algumas entidades, redução na temporariedade do reajuste, que passaria para dois anos, mas ainda abaixo da inflação, a saber: 5,5% em 01/01/2016 e 5,0% em 01/01/2017, o que dá um índice acumulado de 10,78%, que está abaixo da inflação do período.”

“Nos termos citados acima, o CNG entende que continua, na greve, a luta para se conquistar valores que recomponham os salários corroídos pela inflação e que as correções da estrutura remuneratória se iniciem já em 2016” (COMUNICADO 40/CNG-ANDES).

A proposta encaminhada à base pelo CNG/Andes privilegia os seguintes pontos: defesa do caráter público da universidade; condições de trabalho; garantia de autonomia; reestruturação da carreira e valorização salarial.  Esses pontos deverão nortear as conversas com os ministérios da Educação (MEC) e do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG) a partir de agora.

Essa proposição tem como perspectiva a abertura de negociações na mesa setorial em outras bases evidenciando que a categoria está aberta ao diálogo.

Além da aprovação das propostas de encaminhamento do CNG Andes,  a categoria deliberou pela formulação de documento  que foi entre nesta sexta-feira 17 e à Reitoria da UFMS alertando sobre problemas de pôr em prática o calendário acadêmico do segundo semestre sem o término do primeiro semestre, com a consequente quebra de pré-requisito.

Com a decisão

ad referendum

(Resolução 454/2015),  sem qualquer discussão prévia com a comunidade universitária, os/as alunos/as serão obrigados/as a cumprir aulas em períodos concomitantes, horários conflitivos e sem a infraestrutura física e docente adequada, uma vez que vários cursos faltam docentes e até mesmo sala de aula. A situação já herda a complexidade de outra decisão

ad referendum

que atrapalhou a vida dos/as acadêmicos/as e das coordenações de cursos ainda no primeiro semestre: o aumento em mais dez minutos nas disciplinas, o que provocou o estouro da carga horária em vários cursos, principalmente na Enfermagem.

Para os/as docentes em greve, a publicação do calendário acadêmico do segundo semestre, com vigência a partir do dia 13 de outubro, mais a quebra da exigência do pré-requisito para cursar uma nova disciplina, teve o propósito da administração da UFMS de enfraquecer o movimento paredista, pressionando os/as professores/as a voltar para sala de aula, uma vez que até então a quebra pré-requisito era inegociável pela atual reitora.


Assessoria de Imprensa da ADUFMS-Sindicato

Compartilhe: