NOTA DE REPÚDIO À VIOLENCIA DA GUARDA MUNICIPAL CONTRA OS PROFESSORES DA REME

08 jul, 2015 Adufms

Os docentes presentes na Assembleia Geral desta quarta-feira (5/08/15), convocada pelo Comando de Greve e pelo Sindicato dos Docentes da UFMS, repudia a ação truculenta de membros da Guarda Municipal, alguns inclusive à paisana e sem identificação, contra os professores da Rede Municipal de Ensino, na Câmara de Vereadores de Campo Grande, nesta última terça-feira.

Lamentamos que o atual prefeito, Gilmar Olarte (PP), fosse capaz de organizar uma força tarefa capaz de reprimir a categoria. Ao invés de violência, usando do aparato público, deveria encontrar uma solução negociável para a greve, buscar outras alternativas administrativas para equilibrar as finanças do município, e cumprir seu próprio decreto, aprovado pela Câmara dos Vereadores, garantindo o reajuste legal e legítimo de 13,01% para equiparação do Piso Salarial Profissional Nacional (PSPN), instituído pela Lei Federal n. 11.738/2008.

Nossa categoria estende a sua indignação ao Presidente do Legislativo Municipal, Vereador Mário César (PMDB) e aos demais Vereadores da bancada de sustentação do Prefeito, ao permitir a permanência de guardas municipais, com vestimentas de tropa de choque, dentro da sessão, sem nenhuma justificativa plausível, pois, os professores da REME protestavam de forma pacífica, distribuindo pacotes de cafezinhos aos motoristas e vereadores. Ao ter o nome citado nas denúncias da operação lama-asfáltica, cabe a este parlamentar prestar explicações à sociedade e formular seu pedido afastamento até a conclusão das investigações por parte da Polícia Federal, do Gaeco e do Ministério Público Estadual.

Continuamos totalmente solidários aos professores em greve há quase três meses, com ampla disposição de negociação com o Executivo Municipal, que aceitam até mesmo o parcelamento do índice apresentado, todavia, sem nenhuma sinalização favorável do prefeito de Campo Grande.

A atitude do Prefeito Gilmar Olarte, avalizada pelo presidente da Câmara, Mário César, afronta a democracia e os princípios republicamos. Não é com forte esquema de segurança, tropa de choque e intimidação, mas sim com diálogo sincero e pagamento de salários decentes para os professores da REME que se encontrará a solução para o impasse.

Não aceitamos em hipótese alguma, a violência como instrumento de coerção do movimento sindical e popular. Aliás, a função institucional da Guarda Municipal é resguardar e proteger a cidadania enquanto direito de todos.

Por isso, exigimos punição do Comandante e dos guardas municipais que violentaram professoras, professores e até crianças, bem cmo, a discussão ampla e democrática do papel, limites e competências desta corporação, e ainda a apuração vigorosa das denúncias de corrupção contidas na operação Lama Asfáltica.

Pelo pagamento imediato do PSPN para os professores da REME! Luta Histórica de mais de duzentos anos dos professores de educação básica deste País e que só se efetivou em 2008 com a aprovação da Lei. 11.738, mas que, ainda sim, encontra obstáculos em sua materialização pelos poderes locais!

Comando de Greve da UFMS – ADUFMS

Compartilhe: