Plano de volta às aulas presencias da UFMS mente sobre imunização

06 out, 2021 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire

Documento elaborado por Comissão de Biossegurança usa dados falsos ao afirmar que mais de 70% da população de MS está totalmente imunizada

A UFMS publicou, nesta segunda-feira (4), a aprovação do Plano de Biossegurança 5.0 da instituição, que dispõe sobre o retorno das aulas presenciais na universidade. O documento, que foi elaborado pela Comissão de Biossegurança e publicado por meio da Resolução 204-CD/UFMS, com a assinatura do reitor Marcelo Augusto Turine, não exige a apresentação de confirmação das duas doses (ou dose única) da vacina para alunos, docentes e funcionários da instituição, além de trazer dados falsos sobre a vacinação em Mato Grosso do Sul.

Na página 9 do documento, que faz parte do item 5 do plano (intitulado “Do comportamento individual, dos grupos de risco e da consciência coletiva”), a Comissão afirma que “em função de Mato Grosso do Sul ter alcançado recentemente a imunização completa de mais de 70% da população, recomenda-se o retorno às atividades presenciais”. No entanto, de acordo com a Secretaria de Estado de Saúde (SES), a quantidade de pessoas com esquema vacinal completo no estado corresponde a 59,42% da população (dados de 6 de outubro de 2021).

Embora a SES-MS tenha divulgado, através de seu “vacinômetro”, a vacinação de 75% da população de Mato Grosso do Sul no mês de setembro, estes dados dizem respeito à primeira dose, ou seja, não correspondem à imunização completa, ao contrário do que afirma o documento formulado pela Comissão de Biossegurança da UFMS e assinado pela reitoria.

Apesar de haver 10 unidades da UFMS em todo o estado, o plano dispõe sobre testagem em casos de suspeita apenas no campus de Campo Grande, e afirma que o procedimento será realizado em Três Lagoas “quando estiver disponível a infraestrutura de análise na unidade” (p. 9), sem haver previsão de data para tal. O documento também determina o uso de máscaras, as quais são estabelecidas como responsabilidade individual para alunos; e competência das empresas contratadas, em casos de funcionários terceirizados. 

O documento não torna obrigatória a confirmação de imunização completa ou de vacinação, para prevenir a contaminação entre profissionais da universidade e estudantes, contrariando as orientações de especialistas e órgãos de saúde, como a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), que defendem o chamado “passaporte sanitário”.

A Comissão de Biossegurança da UFMS, constituída em 6 de maio de 2020 pela reitoria, não conta com a participação de entidades representativas da comunidade acadêmica, impedidas de compor o órgão. Por parte da ADUFMS, houve solicitação para representação na comissão, vetada pela reitoria.

O professor Dr. Marco Aurélio Stefanes, presidente da ADUFMS, destaca que o clima de "volta à normalidade" é perigoso. "A situação epidemiológica ainda requer cuidado e atenção. Passar a impressão de que está tudo normal é um grave erro e pode desencadear uma terceira onda, como já aconteceu em alguns países", afirma.

Compartilhe: