Presidente da ADUFMS convoca técnicos para fortalecer unidade na greve

06 nov, 2015 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire



Jose Carlos Assembleia Sista


José convida técnicos para unificar movimento

 

Entrevista à reporter da TV Campo Grande/SBT

O presidente da ADUFMS, José Carlos da Silva, esteve presente nesta manha de quinta-feira (11.06) à Assembléia Geral dos trabalhadores técnicos administrativos da UFMS, ocorrida no Portão do HU (Hospital Universitário). Na atividade concedeu entrevistas as TVs Guanandi e ao SBT/TV Campo Grande e confirmou à disposição dos professores da universidade entrar em greve na próxima segunda-feira, acatando deliberação da categoria tomada na quarta-feira, em todos os campi da instituição.
José Carlos pediu a unidade de técnicos, estudantes e professores em defesa da universidade pública, gratuita e de qualidade. Denunciou que a sobrecarga de trabalho com o aumento da carga horária , ingresso de mais alunos e a ampliação física das universidades e de vagas na graduação e na pós-graduação. Aproveitou também para criticar as medidas administrativas adotadas ad-referendun pela administração da UFMS com ampliação da carga horária de 50 para 60 minutos e a implantação do PADOC (Plano de Avaliação Docentes), medidas de controle dos docentes, sem nenhuma discussão com a entidade representativa da categoria ou no próprio Conselho Universitário. O assunto será tema de reunião, hoje, às 14 horas, da diretoria da Adums, com a Pro-reitoria de Ensino de Graduação.
20150611_091441


11391251_477056639115515_6785210176610977490_n


A intenção do diretor é de promover ações conjuntas de greve com os outros segmentos, na próxima semana, com a atividade de mobilização com o objetivo de sensibilizar a sociedade e ganhar adesão ao movimento por parte da comunidade universitária. A expectativa dos técnicos administrativos é do movimento de greve ganhar força com a paralisação dos professores.
Os docentes da UFMS já acumulam perdas superiores a 27% nos últimos anos. Só no acordo trianual firmado com o MEC no ano retrasado a projeção de perdas já chega 7%, descontada a inflação. Hoje um professor em início de carreira, graduado 20 horas recebe R$ 2.018, 77, o mestrado 20 horas R$ 2.498,78 e dourado 20 horas R$ 2.983,59, enquanto o graduado 40 horas fica em R$ 2.214,01, mestrado 40 horas R$ 3.719,70 e o doutorado 40 horas R$ 5.543,41.
Assessoria de imprensa da ADUFMS

Compartilhe: