Presidente da Adufms ganha prêmio em Conferência Científica Internacional

22 out, 2021 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire

Pesquisa foi premiada em evento de Ciência da Computação ocorrido na Universidade de Cagliari, na Itália

O presidente da Adufms, Marco Aurélio Stefanes, foi contemplado com o Prêmio de Melhor Trabalho Científico na 21ª Conferência Internacional de Ciência da Computação e Suas Aplicações (ICCSA, na sigla em inglês), junto ao mestrando Rodrigo Siqueira e mais quatro pesquisadores. Neste ano, o evento foi sediado na Universidade de Cagliari, Itália, e ocorreu entre os dias 13 e 16 de setembro, em regime híbrido, devido à pandemia de Covid-19.

Além de Stefanes e de Siqueira (UFMS), o trabalho apresentado, “Abordagem Multi-GPU para Alinhamento de Sequências Múltiplas em Grande Escala”, também teve como autores Luiz Rozante (UFABC), David Martins Júnior (UFABC), Jorge Estefano Santana de Souza (UFRN) e Eloi Araújo (UFMS).

“Foi feito com muita dedicação e sem recurso. Essa é a balbúrdia da Universidade”, afirma Marco Aurélio, em referência à política de ataques às instituições de ensino superior públicas, colocada em prática pela administração de Jair Bolsonaro. Além de ser a gestão que menos investiu em pesquisa nos últimos 20 anos, o governo federal sancionou neste mês o corte de 92% dos recursos para pesquisa científica, equivalente a 690 milhões de reais, prejudicando bolsas e editais, além de inviabilizar projetos. 

A ICCSA é realizada anualmente desde 2001, quando foi sediada na Universidade de San Francisco, nos Estados Unidos, e desde então ocorre anualmente, com sede em diferentes instituições. De acordo com a organização do evento, o objetivo é “discutir novas questões, enfrentar problemas complexos e encontrar soluções capacitadoras avançadas, capazes de moldar novas tendências em Ciência da Computação”.

Além da Universidade de Cagliari, que sediou o evento neste ano, participaram da organização as Universidades de Perúgia (Itália), de Basilicata (Itália), de Monash (Austrália), Kyushu Sangyo (Japão) e do Minho (Portugal), além do apoio de entidades ligadas à pesquisa científica.

Compartilhe: