Retorno às aulas presenciais precisa ser feito com cuidado, preservando as pessoas mais vulneráveis, alerta infectologista

29 jul, 2021 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire

Foto: Alexandra Koch/Pixabay

Em reunião com Fórum Estadual Vacina Para Todos, Julio Croda, da Fundação Oswaldo Cruz, falou sobre garantias para retorno presencial seguro

O Fórum Estadual Vacina Para Todos, que reúne cerca de 50 entidades representativas da sociedade civil organizada de Mato Grosso do Sul, incluindo a ADUFMS, se reuniu no dia 26 de julho com o médico infectologista Julio Croda, pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz e professor na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul para esclarecer questões acerca do andamento da campanha de vacinação contra o COVID-19 no Mato Grosso do Sul e Brasil, incluindo as pesquisas referentes à nova variante Delta, realizadas em parceria com a empresa Jansen na fronteira de MS, e o retorno às aulas presenciais no estado. 

 

Em resposta à vice-presidente da ADUFMS, Profa. Mariuza Aparecida Guimarães, sobre quais medidas deveriam ser priorizadas para um retorno seguro às aulas presenciais, o infectologista ressaltou a importância de que em um primeiro momento o principal objetivo deva ser a garantia do esquema de vacinação completa – primeira e segunda dose – de pessoas acima de 50 anos que trabalham na área da educação, tendo em vista que esta faixa etária comprovadamente é a que corre maior risco de internação e óbito ao ser contaminada pelo vírus. 

“Esse retorno (às aulas presenciais) precisaria ser feito com muito cuidado, especialmente preservando as pessoas mais vulneráveis”, alertou. Segundo Croda, é preciso compreender que mesmo após a segunda dose da vacina, pessoas acima de 50 anos ou com comorbidades não estão isentas de ter consequências mais graves caso sejam contaminadas. “Os estudos a respeito do processo de imunização ainda estão sendo desenvolvidos, mas já há dados que demonstram que algumas pessoas têm algumas predisposições genéticas em relação aos imunizantes”, explica. 

Para a Profa. Mariuza, apesar da eficácia das vacinas e do avanço da vacinação no estado, é importante lembrar que o Brasil está com uma taxa de apenas 18% de imunização e muitos alunos da UFMS moram fora do estado. “Estamos com uma taxa baixíssima de vacinação se considerarmos outros países do mundo. Justamente pelo atraso na compra das vacinas, como o Prof. Julio Croda citou várias vezes. Por isso, na nossa visão, é preciso nesse momento ampliar com urgência esse percentual de vacinação, mas também fazer um investimento sério e contínuo nas medidas sanitárias. Esse investimento precisa seguir juntamente com a vacinação”, defende a professora.  

A observação de Guimarães é respaldada pelo posicionamento do infectologista Julio Croda, que revelou que, segundo estudos, a contaminação pelo Coronavírus ocorre sobretudo no transporte público e em qualquer lugar ou evento em que haja aglomeração, especialmente nos momentos de lazer, como por exemplo, encontros de alunos nos corredores e salas da Universidade.   

Para a vice-presidente da ADUFMS há ainda muito a lutar para conseguir de fato garantir uma segurança relativamente considerável para o retorno presencial:“O que ouvimos do Prof. Julio Croda reforçou a necessidade de mobilização,da contribuição dos movimentos sociais, dos movimentos populares e da universidade para conseguirmos chegar como sociedade às medidas sanitárias que necessitamos e a um índice de cobertura vacinal que represente uma uma segurança para toda a população”.

PESQUISA – Variante Delta  

Sobre a pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz em parceria com a empresa Jansen referente à variante Delta do COVID-19, Julio Croda revelou que foram testadas as populações de três municípios de fronteira do Mato Grosso do Sul. “Houve a vacinação de 80% da população dos municípios de fronteira pesquisados. Teremos os primeiros resultados parciais sobre a imunização desta variante daqui 15 dias”, destacou. 

Perguntado sobre uma possível terceira dose a ser disponibilizada no Brasil, o professor respondeu que essa questão está sendo estudada e discutida, mas que, considerando os altos índices de contaminação do país, a prioridade deve ser no aumento do percentual de vacinação da primeira e segunda dose das vacinas. 

Compartilhe: