Sindicato pede à reitoria da UFMS apuração sobre denúncias de assédio a docentes

02 dez, 2019 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire


Constituição Federal de 1988 assegura liberdade de cátedra







Há caso na UFMS de recusa de estudante em problematizar conteúdo que o próprio discente argumenta estar havendo ‘doutrinação’, explica Mariuza Aparecida ao reitor Turine

– Fotos: Arnor Ribeiro/ADUFMS-Sindicato

Integrantes da diretoria da

ADUFMS-Sindicato

pediram à administração central da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) providência sobre denúncias de assédio que docentes vêm sofrendo ao ministrar e discutir conteúdos em sala de aula. A presidenta do Sindicato, professora Mariuza Aparecida Camillo Guimarães, entregou, em reunião de segunda-feira 11 de fevereiro na reitoria,

publicação do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN) que orienta o magistério superior sobre como agir em caso de desrespeito aos direitos humanos e à diversidade

.

Há caso na UFMS  de recusa de estudante em problematizar conteúdo que o próprio discente argumenta estar ocorrendo ‘doutrinação’, conforme explicou a sindicalista Mariuza Aparecida.

O diretor da

ADUFMS-Sindicato

no Câmpus do Pantanal (CPAN, Corumbá), professor Waldson Luciano Corrêa Diniz, expressou a necessidade de reafirmação da autonomia de cátedra. “Precisa de uma ação mais incisiva”, manifestou o sindicalista ao reitor.






Sentido anti-horário:

Dulce Maria Tristão, Oswaldo Rodrigues, José Roberto Rodrigues de Oliveira, Camila Celeste Brandão Ferreira Ítavo, Marcelo Augusto Santos Turine, Mariuza Aparecida Camillo Guimarães, Waldson Luciano Corrêa Diniz e Ivo Leite

Em rede social está sendo veiculado sugestão falaciosa para induzir acadê[email protected] a informar ao Ministério Público procedimentos adotados por [email protected], sob a evasiva alegação de “uso de aula para fins de propaganda ideológica, política e partidária”. Na mesma orientação o própria mensagem conduz @ estudante a pensar erroneamente que a docência em sala de aula “ofende a Constituição e viola o seu direito [direito [email protected] [email protected]] à educação, ao pluralismo de ideias, à impessoalidade e à liberdade de consciência e de crença”.

A contradição do texto no qual se prega “direito à educação, ao pluralismo de ideias, à impessoalidade e à liberdade de consciência e de crença” é de que nessa mesma formulação existe o propósito de disseminar ‘informações’ que sugerem condutas de

policiamento

a docentes. “Você tem todo o direito de produzir as provas mecessárias à defesa dos seus direitos, o que inclui a gravação de áudio e vídeo”, sentencia-se na publicação que circula nos meios sociais de comunicação.

Essa conduta é inconstitucional. A

Constituição Federal de 1988

assegura liberdade de cátedra em seu artigo 5º, nos seguintes incisos:

  • “IV- é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
  • IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença .”

O reitor Marcelo Augusto Santos Turine assumiu que os casos de denúncia de assédio estão sendo ou serão analisados pela Comissão de Ética da UFMS, segundo o magnífico a “nossa ferramenta legal” para atuar nessas situações. “Não é tolerável assédio”, assegurou Turine ao ser cobrado pela direção do sindicato. O dirigente disse existir várias acusações discentes que sugerem ‘prática doutrinária’.







Waldson Luciano

(esquerda):

“Precisa de uma ação mais incisiva”

A

ADUFMS-Sindicato

vai enviar a docentes da UFMS

orientações do Coletivo Nacional de Advogados de Servidores Públicos (Cnasp) em defesa da liberdade de cátedra, de ensino e de pensamento

.  Cada [email protected] que receber a publicação deve assumir  repassá-la aos/às demais colegas do magistério superior público.

Além de Mariuza Aparecida e de Waldson Luciano participaram da reunião com o reitor Turine e a vice-reitora Camila Celeste Brandão Ferreira Ítavo outros dirigentes do Sindicato: professores José Roberto Rodrigues de Oliveira (primeiro-secretário) e Oswaldo Rodrigues (diretor de Assuntos de Aposentadoria). A pró-reitora de Planejamento, Orçamento e Finanças, Dulce Maria Tristão, e o professor Ivo Leite também estiveram no encontro.

Os assuntos “posição da universidade quanto ao assédio que docentes têm sofrido por parte de alunos quanto à susposta ‘doutrinação’; orçamento da Universidade; ações contra projetos de privatização e implementação da Comissão criada para esse fim; SBPC e a participação de sindicatos da educação de MS e nacionais como Andes e CNTE” pautaram a reunião.



Assessoria de Imprensa da ADUFMS-Sindicato

Compartilhe: