UFMS perde R$ 50 milhões, mas fecha contas equilibradas

11 ago, 2019 Adufms

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire

 

 Vice-presidente da ADUFMS, José Roberto Rodrigues de Oliveira, representante da entidade no Conselho Diretor  – Foto: Gerson Jara/ADUFMS Seção Sindical ANDES Sindicato Nacional

  ⇒A REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR (CD)  da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) no 7 de novembro foi rápida e contou com a exposição da situação orçamentária da instituição pela pró-reitora  de Planejamento, Orçamento e Finanças  , Dulce Maria Tristão.   De acordo com os dados apresentados pela servidora, o orçamento da universidade em 2019 chegou a pouco mais de R$ 850 milhões, dos quais foram contingenciados R$ 28,8 milhões pelo Ministério da Educação (MEC), ficando a instituição com R$ 821,4 milhões. O descontingenciamento foi anunciado pelo MEC neste semestre.    Inicialmente o  orçamento para este ano   girava em torno de R$ 902,3  milhões, mas apenas R$ 821,4 milhões foram efetivamente liberados.  Para Tristão, a UFMS fecha o ano com equilíbrio financeiro, em comparação a outras universidades. Citou como exemplo o empenho de todos os contratos, alguns pagos em atraso em função da liberação parcelada dos recursos do governo federal.   Em relação à previsão orçamentária de  R$ 902,3 milhões, houve corte de mais de R$ 50 milhões no orçamento da UFMS no decorrer de 2019.  A contenção retardou a aquisição de máquinas e equipamentos. O cronograma de obras ficou mais lento. Também houve a redução drástica de bolsa de pesquisa,  de iniciação científica, de bolsa-permanência, fechamento de cursos de graduação em  diversos  câmpus, considerados de pouca demanda pela instituição.  Vale ressaltar que o corte do orçamento pelo Ministério da Educação (MEC) contou com repúdio de parcela expressiva da comunidade universitária por todo o País. Na UFMS, a  ADUFMS Seção Sindical ANDES Sindicato Nacional  , em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e dos Institutos Federais de Ensino, no Estado de Mato Grosso do Sul (  Sista-UFMS  ), Diretório Central das e dos Estudantes (  DCE-UFMS  ), movimento  Eu Defendo a UFMS  e a Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (  Fetems  ),  fizeram diversos debates e duas grandes mobilizações contra as medidas adotadas pelo Governo Bolsonaro.  Outro assunto em pauta aprovado na reunião do  CD, da qual participou o vice-presidente da  ADUFMS Seção Sindical ANDES Sindicato Nacional  , José Roberto Rodrigues de Oliveira,  foi a instituição de seguro para alunas/os em estágio supervisionado e devidamente programado no plano de ensino. A medida atinge estudantes matriculadas/os nos cursos de graduação e pós-graduação, inclusive expostas/os a ambientes insalubres, a agentes físicos e biológicos.   O processo  licitatório  , no entanto, depende de sinalização positiva por parte do Tribunal de Contas da União (TCU). Com  o  argumento  favorável à  contratação da modalidade de seguro  ,  a pró-reitora de  Assuntos Estudantis  ,  Ana Rita  Barbieri  Filgueiras  , citou ação movida contra a UFMS no Câmpus do Pantanal (CPAN, Corumbá), no valor de R$ 1 milhão em função de acidente dentro do espaço físico da instituição.  

  Assessoria de Imprensa da ADUFMS Seção Sindical ANDES Sindicato Nacional  

Compartilhe: