Organização sindical dos docentes e das docentes da UFMS

Mato Grosso do Sul protesta: ocupação, luta, arte e indignação

Imprimir

18 de novembro de 2016

sarau-ocupa-uems-campo-grande
Imagem baixada do facebook Ocupa UEMS CG

Arte, estética da indignação, política e muita luta! O Ocupa UEMS (Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul) vai saralizar neste domingo 19. O sarau acontece a partir das 16h na Campus de Campo Grande, na avenida Dom Antonio Barbosa (MS-080), 4.155, em frente ao Conjunto José Abrão. A ocupação da UEMS-Campo Grande segue em frente,

“Ocupar para resistir” é a máxima das/os estudantes das principais universidades de Mato Grosso do Sul. Com o crescente número de medidas que afetam diretamente o presente e o futuro dos/as estudantes, as manifestações são motivadas, principalmente, em reação à PEC 55 e todo processo de ataque do governo à educação, como o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 54 e a reforma do ensino médio imposta por meio Medida Provisória (MP) 746/2016, entre outras propostas que ferem os direitos sociais. As ocupações em Mato Grosso do Sul também representam uma forma de apoio aos/às estudantes secundaristas que ocupam mais de mil escolas no país, em alguns casos, sofrendo ação arbitrária da Polícia Militar, como desocupações imediatas sem qualquer mandado judicial.

No campus da UFMS em Três Lagoas, a ocupação da Unidade II ocorreu na madrugada do dia 2/11, pelas/os alunas/os, com o apoio de professores/as, sindicatos e movimentos sociais. Após o último dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), 6 de novembro, ocorreu a ocupação da Unidade I do mesmo campus. A partir de intervenção do Ministério Público Federal (MPF), as/os acadêmicos tiveram de desocupar o campus no dia 12/11.

Em 15/11, estudantes ocuparam o campus da UFMS em Paranaíba. A ocupação segue por tempo indeterminado. O campus da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) na cidade também estava ocupado desde o dia 28/10, manifestação interrompida no dia 9/11 por imposição judicial, segundo o movimento Ocupa UEMS, de “forma autoritária sem analisar o contexto da ocupação. [O MP – Ministério Público] criminalizou um movimento pacífico, já que em seu pedido trata os ocupantes como ‘invasores’ e pede que seja usado ‘auxílio de força policial ao alvorecer do dia’, pondo-nos em uma espécie de emboscada, que eliminaria qualquer possibilidade de defesa ou mesmo de testemunhas caso houvesse abusos da força policial, como já ocorreu na unidade em outra ocasião e vem acontecendo por todo o país”.

Assessoria de Imprensa da ADUFMS-Sindicato