Organização sindical dos docentes e das docentes da UFMS

Destaque com foto

Nita Freire recebe nesta quinta-feira 17 em Três Lagoas título de Doutora ‘Honoris Causa’

Assessoria de Imprensa da ADUFMS-Sindicato

 

A Professora Doutora em Educação Ana Maria Araújo Freire recebe nesta quinta-feira 17 o título de Doutora Honoris Causa. O ato de entrega da honraria começa às 19 horas no Auditório II do Câmpus de Três Lagoas da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (CPTL-UFMS). A cerimônia faz parte da XIX Semana de Educação no CPTL-UFMS. Organizada pelo Curso de Pedagogia, a semana começou nessa quarta-feira 16 e termina no próximo sábado 19. Tem como tema principal os conceitos e ensinamentos do educador Paulo Freire na área da pedagogia e da educação em geral.

O evento contará com mesas-redondas, minicursos, oficinas e apresentação de trabalhos científicos, todos voltados ao tema da educação como ferramenta para uma sociedade melhor.

A coordenadora da semana, Professora Doutora Silvana Bispo, ressalta a importância do evento. “É um marco para a educação de Três Lagoas e região porque traz uma discussão sobre a educação libertadora, crítica e humanizadora na perspectiva de Paulo Freire. Entre os convidados e palestrantes existe uma vasta experiência nos aspectos práticos e teóricos de Paulo Freire. Os conteúdos discutidos e transmitidos serão de grande aproveitamento para os presentes”, afirma.

Homenageada – Ana Maria Araújo Freire, chamada carinhosamente de Nita por amigas/os, nasceu em Recife (PE), no dia 13 de novembro de 1933. Ana Maria é mestre e doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Filha de educadores, casou-se em 1988 com Paulo Freire, educador e importante filósofo brasileiro, cujo trabalho influenciou e ainda influencia a educação dentro e fora do Brasil.

Após a morte do marido em 1997, Ana Maria vem agindo como sucessora legal da obra de Paulo Freire, organizando e publicando os livros inéditos dele e traduzindo obras do pesquisador para outras línguas.

O título Doutora Honoris Causa, com o qual Nita Freire será homenageada, representa o reconhecimento do valor da pesquisadora em sua área de atividade e consequentemente na sociedade, por seus méritos e atitudes.

 

 

 

 

 

SERVIÇO

XIX Semana de Educação da UFMSEducar para a libertação: concepções de Paulo Freire.

QUANDO: 16 (19h), 17 (19h), 18 (19h) e 19 (7h30min) de maio de 2018

LOCAL: Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Câmpus 2 Três Lagoas, avenida Ranulpho Marques Leal, 3484.

 

Postado em Destaque com foto Tag , , , , ,

O balcão de negócio da educação superior

Sguissardi: “O ensino superior é uma commodity” (fotos: Arnor Ribeiro/ADUFMS-Sindicato)

Já há algum tempo a educação superior vem sendo rentável negócio do capital no mundo globalizado. No Brasil as palavras usais não mais dão conta de compor o universo semântico de pesquisadores que se dedicam a estudar a mercantilização da formação de cidadãs e de cidadãos na universidade. Políticas estatais transformam as instituições universitárias em valoroso produto no balcão da iniciativa privada.

Muito além de simples nomenclaturas, os neologismos são instrumentos para se buscar entender, por meio de pesquisas, mecanismos intangíveis com o uso de conceitos convencionais no campo da educação universitária.

Na palestra Alguns Desafios Atuais da Educação Superior no Brasil, ocorrida dia 4 de maio na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) em Campo Grande, durante o colóquio Educação Superior e os Desafios da Década,  organizado pela ADUFMS-Sindicato, pelo Grupo de Estudos e Pesquisas Política de Educação Superior Mariluce Bittar (Geppes-MB) e pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGEdu-UFMS), com apoio da Faculdade de Educação (Faed),  o Professor Doutor Valdemar Sguissardi – docente aposentado das universidades Federal de São Carlos (UFSCar) e Metodista de Piracicaba (Unimep) – analisou a mercadização, a  mercadorização e a commoditycidade da universidade no país. “O ensino superior é uma commodity”, definiu o pesquisador que, de acordo com seu Currículo Lattes, atua “principalmente nos seguintes temas: educação superior, política de educação superior, reforma da educação superior, público e privado na educação superior.”

A commoditycidade sintetiza o crescente avanço da universidade brasileira como mercadoria, um negócio como outro qualquer. No livro Da universidade à commoditycidade: ou de como e quando, se a educação/formação é sacrificada no altar do mercado, o futuro da universidade se situaria em algum lugar do passado (editora Mercado das Letras, 2017), os pesquisadores Lucídio Bianchetti e Valdemar Sguissardi usam esse neologismo que “resumiria essa nova característica das Instituições de Educação Superior que grassam país afora, especialmente nos centros urbanos mais populosos, onde a presença de clientela, seja pelo número, seja pela pressão para ‘diplomar-se’, está assegurada”.

Durante a palestra Alguns Desafios Atuais da Educação Superior no Brasil, o professor Valdemar Sguissardi apresentou e esmiuçou dados sobre o negócio em que se transformou a universidade privada no país. Em um gráfico elaborado pelo Professor Doutor aposentado da Universidade Federal de Goiás (UFG), Nelson Cardoso Amaral, o professor Sguissardi historiou o quanto o privado vem dominando a formação de pessoas desde o início da ditadura civil-militar em 1964. Naquele ano do golpe, as matrículas em universidades públicas correspondiam a 61,6%. As instituições de ensino superior privadas detinham 38,4 % das matrículas/os em 1964.

Ao final dos dez primeiros anos dos governos autoritário-repressivos, em 1974, chegando a 63,5% das matrículas, o setor privado já superava as matrículas públicas. Em 1974 as matrículas no setor público haviam caído para 36,4%.

Até 1985 os percentuais permaneceram favoráveis ao setor privado com brandas oscilações que não interferiram radicalmente ao ponto de reverter a situação. A partir de 1995, com a política neoliberal implantada pelos governos de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), houve queda vertiginosa das matrículas no setor público, até 2002: de 39,8% para 24,7%. À medida que caíam as matrículas públicas aumentavam as do setor privado: de 60,2% em 1995 para 69,8% em 2002.

“O Estado é muito mais uma arena de combate entre interesses públicos e privados”Nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), embora em menor escala, as matrículas do setor privado continuaram subindo com uma ligeira situação estática em 2010.

A situação a partir de 2011 prosseguiu praticamente inalterada com pequeno decréscimo nas matrículas públicas até 2016, ano ao qual se estende a abrangência do gráfico. Nas instituições privadas o número de matrículas cresceu de 73,7% em 2011 para em torno de 75,3% em 2016.

Abarcando o último governo de FHC e os dois de Lula da Silva, as instituições de educação superior públicas (federal, estadual e municipal) aumentaram suas matrículas de 886.561 (1999) para 1.461.696 (2010). Nesse período (1999-2010) as matrículas nas instituições privadas de ensino superior particulares elevaram-se avassaladoramente: de 651.362 em para 3.386.923.

Nesse cenário, Valdemar Sguissardi explica que “o Estado é muito mais uma arena de combate entre interesses públicos e privados”. Pelos dados apontados, o privado tem nocauteado o público, o que demonstra os pendores do Estado Nacional no sentido de estimular a mercadização da educação superior.

 

 

Assessoria de Imprensa da ADUFMS-Sindicato

Postado em Destaque com foto Tag , , , , ,

Diretor da ADUFMS-Sindicato em Aquidauana condena limitação de espaços para discussões na UFMS e palestrante crítica autoritarismo nas universidades

Diretor da ADUFMS-Sindicato em Aquidauana, Carlos Martins media debate em palestra proferida pela Professora Doutora Priscila Xavier da UFMT-Rondonópolis  (FOTOS: Gerson Jara/ADUFMS-Sindicato)

Na abertura da palestra “Autoritarismo Institucional e o Desmonte da Democracia no Brasil”, ocorrida quarta-feira 2 de maio no SIMTED de Aquidauana o diretor da ADUFMS-Sindicato no Câmpus de Aquidauana da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (CPAQ-UFMS) Carlos Martins Junior reclamou da burocracia criada para reserva dos auditórios e anfiteatros da UFMS. Para ele a exigência mínima de 15 dias de antecedência, aprovada pelo Conselho Diretor, reforça o excesso de controle e limita o debate democrático dentro da instituição.

Diante das dificuldades criadas para realização do evento dentro da UFMS, o presidente do SIMTED de Aquidauana, Florêncio Garcia Escobar enalteceu a oportunidade da parceria com a ADUFMS-Sindicato: “Vamos construir a luta. Construir este momento. Construir a resistência. E a nossa entidade é parceira. Coloca-se à disposição do movimento estudantil e da ADUFMS-Sindicato. O dirigente resgatou que nos anos oitenta houve o enfrentamento à Ditadura e a resistência ao autoritarismo, como o movimento contra o pagamento de taxas dos alunos pelas universidades públicas.

Estudantes e professores/as ouviram críticas feitas pela palestrante ao racionalismo cartesiano nas universidades

Na palestra, a Professora Doutora Priscila de Oliveira Xavier Scudder criticou a ingerência política do senador licenciado e atual ministro da Agricultura, Blairo Maggi, na criação da Universidade Federal de Rondonópolis e de cursos destinados a atender tão somente o agronegócio, enquanto a cidade e o próprio campus da UFMT viram as costas para a realidade das comunidades indígenas que vivem na periferia da cidade, ingerem veneno das lavouras e indústrias instaladas na cidade e convivem com a destruição ambiental e ainda são acusadas de colocar incêndio nas matas. “Você tocaria fogo na própria casa”, indagou. Como exemplo de descaso da UFMT e dos pares docentes, citou a quota de 4 vagas para etnia em cursos com sobras de vagas e o fato de ser, até então, a única negra do Departamento de História ou caso de professor que conseguiu criar a disciplina História do Continente Africano e assim que pediu transferência a disciplina foi extinta.

Para a pesquisadora há a reprodução da visão eurocêntrica nas universidades presente nas estruturas curriculares e ementas dos cursos, inclusive na área de humanas. Acentuou a dificuldade da academia em aceitar teóricos de outros continentes, como da África e dá própria América Latina nas teses de dissertações, marcada pela obrigatoriedade de citação de autores das escolas de pensamentos europeias. Criticou também o autoritarismo catedrático sobre os alunos, reproduzido por meio de linguagem que afasta os estudantes da ação política, ao invés de ganhá-los para o projeto de defesa da universidade pública e da sociedade inclusiva. Teceu críticas ao mito objetividade e da imparcialidade em projetos de pesquisas, vez que o ser humano não consegue se distanciar da sua formação cultural e sobre ela constrói sua visão de mundo.

Um tanto cética, Priscila Xavier também não enxerga perspectiva de melhoras na qualidade de vida humana e ambiental nos marcos do sistema capitalista. Vê no esgotamento do atual modelo de destruição do sistema capitalista, talvez, a possibilidade de construção de novo processo civilizatório. Não poupou críticas ao machismo, ao preconceito racial, de gênero e orientação sexual presentes nas universidades. Alertou sobre o desmonte da carreira via criação de curso de ensino a distância, para a precarização da atividade acadêmica e pediu a participação de todos nos movimentos de resistência.

 

Assessoria de Imprensa da ADUFMS-Sindicato

Postado em Destaque com foto Tag , , , , , , , ,

Atividades do Dia da Trabalhadora e do Trabalhador em MS começam nesta segunda-feira 30

Uma série de atividades do Dia da Trabalhadora e do Trabalhador acontece em Mato Grosso do Sul este ano. As ações visam a fortalecer ainda mais as categorias do mundo do trabalho, entre elas o funcionalismo do Estado Nacional. “O governo federal se nega a negociar qualquer reajuste aos servidores públicos da União. Além disso, ameaça retirar direitos históricos. Não podemos ficar parados. Nossa mobilização e nossa unidade são nossa força. Por isso venha manifestar seu descontentamento junto com os colegas e nossos sindicatos”, reforça o convite à participação de todas e de todos.

Em relação ao serviço público federal, a programação enfatiza quatro pontos de luta: “reajuste salarial, já!; revogação da terceirização; cancelamento da reforma trabalhista e da EMC (Emenda Constitucional) 95/2016 que congela o orçamento público por vinte anos; ampliação da participação do governo no custeio dos planos de saúde, contra a reforma da Previdência.”

Em Campo Grande, na Esplanada Ferroviária (perto da Feirona) haverá ato unificado em defesa dos direitos dos/as trabalhadores/as e da democracia nesta segunda-feira 30 de abril a partir das 18 horas, com apresentações artísticas: Muchileiros, João Lucas & Walter Filho, Eco do Pantanal, Juci Ibanez, Los Divinos – Paulo e Geraldo, Teatro Imaginário Maracangalha e Zezinho do Forró. Organizam, promovem e apoiam o ato unificado entidades como  ADUFMS-Sindicato, Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems),  Sindicato dos Trabalhadores Públicos Federais em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social no Estado de Mato Grosso do Sul (SINTSPREV/MS), Sindicato dos Trabalhadores nos Correios, Telégrafos e Similares de Mato Grosso do Sul (Sintect-MS),  Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul (Sinpol-MS), Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública (ACP), Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de Campo Grande – MS (Sintracom), Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Central Única dos Trabalhadores Mato Grosso do Sul (CUT-MS), Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST) e União Geral dos Trabalhadores (UGT).  A Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul (Cassems), a Frente Brasil Popular, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Mato Grosso do Sul (Fetagri-MS) também fazem parte dessa parceria.

A programação segue nesta terça-feira 1º de maio no capital sul-mato-grossense e no interior. Em Campo Grande, na Associação Colônia Paraguaia (rua Ana Luísa de Souza, 610, bairro Pioneiros) haverá ato público do Dia da Trabalhadora e do Trabalhador, às sete horas, organizado pela Frente Brasil Popular, com apoio da CUT-MS; atos esportivos e políticos no Pagode das/os Bancárias/os, das 8 às 13 horas, no Clube das/os Bancárias/os (rua Caldas Aulete, bairro Coopharádio), organizado pelo Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Campo Grande-MS e Região (SEEBCG-MS); Feijoada do/a Trabalhador/a no Bar Valu (rua Treze de Maio, 4541, bairro São Francisco, a partir das 11 horas), organizada pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB).

No interior de Mato Grosso do Sul estão programados para esta terça-feira (1º de maio) eventos do Dia da Trabalhadora e do Trabalhador. Em Corumbá acontece ato internacional na fronteira Brasil-Bolívia, a partir das 9h30min, com organização da CUT-MS e da Central Obrera Boliviana (COB).

Na quarta-feira 2 de maio às 19h30min a Professora Doutora Priscila Scudder fará a palestra “Autoritarismo institucional e o desmonte da democracia no Brasil”, no Simted em Aquidauana, rua João Dias, 858, Bairro Alto. O evento está sendo organizada pela ADUFMS-Sindicato (direção de Aquidauana) com apoio do Sindicato Municipal dos Trabalhadores em Educação de Aquidauana-MS (Simted).

Assessoria de Imprensa da ADUFMS-Sindicato

Postado em Destaque com foto Tag , , , , , ,

ADUFMS-Sindicato em Campo Grande fecha na próxima segunda-feira 30 de abril

Imagem reproduzida de CCM

A ADUFMS-Sindicato comunica que na próxima segunda-feira 30 não haverá expediente na sede da entidade em Campo Grande em função do feriado do 1º de maio (terça-feira), Dia da Trabalhadora e do Trabalhador.

As atividades de atendimento a docentes e outras pessoas se encerram nesta sexta-feira 27, às 17 horas. O expediente externo será retomado na quarta-feira 2 de maio, sempre das 7 às 11 e das 13 às 17 horas.

Postado em Destaque com foto, Sem categoria Tag , , , ,

Presidenta da ADUFMS participa de ato de solidariedade a reabertura a reabertura do Leducampo e a 15 professores do curso

Mariuza contesta presença intimidatória da Polícia Militar no campus da UFMS. Alegou que competência é da Policia Federal – Crédito Leducampo

Em solidariedade aos estudantes do curso de Licenciatura do Campo – Leducampo e Magistério Indígena e de 15 professores concursados para ministrarem aulas nas duas graduações, a presidenta da ADUFMS, Mariuza Guimarães, contestou a presença da Polícia Militar (PM) de Mato Grosso do Sul, em ato ocorrido na sexta-feira (20.04), em frente ao portão acesso à reitoria da UFMS. A dirigente também criticou a abertura da Delegacia Civil Virtual no campus, próxima à reitoria, na sua visão também uma forma de intimidar os estudantes.

Para a dirigente sindical docente, a presença da Polícia Militar, mesmo que autorizada pela reitoria, é uma forma de cercear o direito constitucional da livre manifestação. Enfraquece também o Art. 207 da Constituição Federal que diz que as universidades gozam de autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial. “O protesto foi pacífico, não houveram atos de violência, apenas fecharam o portão temporariamente para forçar o reitor a receber uma comissão de estudantes, sendo, portanto, desnecessária a presença de camburões e escoltas da PM”.

Outra forma de intimidação denunciada pela presidenta da ADUFMS é a presença do assessor de imprensa da reitoria nos atos organizados pelos estudantes e professores. As filmagens realizadas pelo jornalista vêm assumindo o caráter intimidatório, com infiltrações sem permissão em reuniões de estudantes, professores e atividades internas na sede da ADUFMS-Sindicato.

A manifestação dos estudantes do Leducampo teve como objetivo fazer com que a UFMS reabra o vestibular para novas turmas. No ato, Mariuza reafirmou que o curso está estruturado, conta com 15 professores concursados, com mestrado e doutorado e não tem sentido a sua suspensão. Reclamou também que o mesmo tratamento vem ocorrendo em outras universidades, o que pode ser uma política deliberada do Ministério da Educação (MEC).

A situação do curso foi pauta da direção da ADUFMS com a administração da UFMS, em dezembro do ano passado. O diretor José Roberto Rodrigues de Oliveira, 1º secretário da entidade e coordenador do curso Leducampo, pediu a continuidade do oferecimento do curso presencial nos vestibulares, a melhoria urgente das instalações do alojamento no Estádio Morenão, na época insalubre devido a umidade. Esclareceu sobre a dificuldade de deslocamento dos estudantes da zona rural até Campo Grande, sem a doação da passagem pela instituição e o fechamento do Restaurante Universitário nos fins de semana, dias em ocorrem as aulas. Em razão do último problema, os estudantes usaram como paliativo a cozinha e as instalações da ADUFMS para fazer as refeições.

Na reunião de fim de ano com a ADUFMS, o reitor da UFMS apresentou como alternativa o oferecimento do curso na modalidade à distância.  Alegou que o custo/aluno no Leducampo devido ao deslocamento, estada e alimentação era maior que no curso de Medicina. Propôs como alternativa que cada professor hospedasse um aluno. José Roberto esclareceu que o oferecimento do curso à distância comprometia a qualidade do curso e a proposta pedagógica de vivência, troca de experiência e alternância pedagógica. Além disso, os estudantes não dispunham de equipamentos e acesso à internet na zona rural.  Adiantou ainda custo/aluno do Leducampo já havia entrado na matriz orçamentária do MEC e os recursos repassados para a UFMS.

Já no vestibular de 2018 e no Sisu não houve oferecimento de vagas para o Leducampo e Licenciatura Indígena

Assessoria de imprensa da AL

Postado em Destaque com foto Tag , , , , ,

Conselho Diretor da UFMS homologa reivindicações da ADUFMS e extingue folha de frequência e PADOC

Reunião do Conselho Diretor aprovou portaria que extinguiu o PADOC e a assinatura da folha de ponto

Os(as ) docentes da UFMS não serão mais obrigados(as) a preencherem o Plano de Desempenho de Atividade Docente – PADOC, instituído pelo Resolução nº 136, DE 3 DE DEZEMBRO DE 2015, que cumpria exigência da Controladoria Regional da União do MS. A categoria também foi dispensada da obrigatoriedade de assinatura da folha de frequência. A deliberação aconteceu na reunião da instância, no dia 28 de março. Em substituição aos procedimentos, a Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas e do Trabalho (PROGEP) ficou de implantar a plataforma única de avaliação de desempenho docente para envio do plano e do relatório de atividades.

A sistemática da plataforma e os indicadores contidos serão, agora, analisados pela direção da ADUFMS-Sindicato e poderá conter novas sugestões de aperfeiçoamento.

A extinção do PADOC e a obrigatoriedade de assinatura da folha de frequência foram reivindicações prévias encaminhadas pela ADUFMS-Sindicato quando da posse do atual Reitor. Na ocasião, a presidenta da entidade, Mariuza Guimarães, protocolizou pauta de reivindicação da categoria em que continha os dois pontos. Explicou ao Reitor que o procedimento de controle poderia ser feito por outros sistemas e que mais um sistema sobrecarregava os(as) docentes da instituição, pois a medida retirava tempo valioso da atividade fim de ensino, pesquisa e extensão para cumprir exigências burocráticas, de cunho administrativo. Ponderou ainda que o limite máximo da carga horária disponibilizada para as atividades não refletia o tempo real de serviço dedicado às atividades, com a jornada de vários docentes extrapolando o tempo legal e que isto poderia gerar problemas trabalhistas para UFMS.

Previamente, o PADOC e a obrigatoriedade de assinatura da folha foram pontos discutidos em Assembléia Geral dos (das) docentes, no ano passado. Diante da negativa inicial de se extinguir o PADOC, os presentes deliberam que o plano constando as horas e atividades excedentes fossem protocolizados individualmente nas coordenações de curso.

Em relação a folha de frequência foi deliberado em assembleia que a Assessoria Jurídica da ADUFMS-Sindicato impetrasse ação judicial por descumprimento do decreto do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que desobrigava os docentes do ensino superior de cumprir este procedimento. A medida forçou a UFMS a montar um grupo de trabalho para discutir e avaliar o PADOC, subsidiando a decisão do Conselho Diretor.

Assessoria de Imprensa da ADUFMS

 

 

Postado em Destaque com foto Tag , , , ,

Novos diretores e diretoras empossados(as) em reunião da direção da ADUFMS-Sindicato

Novos diretores participaram da primeira reunião da ADUFMS e ficaram por dentro das ações desenvolvidas pela entidade
Diretores eleitos cumprirão mandato de até um ano devido a prorrogação da eleição em função da migração para o ANDES-Sindicato

As/os novas/os diretora/es da ADUFMS-Sindicato foram empossadas/os segunda-feira 9 de abril. Os nomes receberam homologação em assembleia geral no dia 4 de abril, realizada em Campo Grande, Aquidauana, Corumbá, Nova Andradina, Ponta Porã e Três Lagoas.

Os/as novos/as integrantes da direção do Sindicato  são Antonio Firmino de Oliveira Neto (Divulgação e Imprensa); Milton Augusto Pasquotto Mariani (Formação e Relações Sindicais); Késia Caroline Ramires Neves (Políticas Educacionais); Silvana Alves da Silva Bispo (como diretora da entidade no Câmpus de Três Lagoas) e Carlos  Martins (como diretor da entidade no Câmpus Aquidauana). Todos cumprirão mandato de até um ano, conforme deliberação aprovada em assembleia, prevendo a transição da ADUFMS-Sindicato para a seção Sindical do ANDES-SN.

A reestruturação visa o fortalecimento da nova direção. Supre a ausência de diretores que pediram afastamento para tratamento médico, transferência ou afastamento para a conclusão de pós-graduação ou pós-doc. Para garantir a lisura e autonomia na escolha, a direção publicou edital com antecedência legal, disponibilizando as vagas para todos os associados interessados.

Na primeira reunião com os novos diretores, a presidenta da ADUFMS fez explanação das ações desenvolvidas pela entidade, como a democratização das decisões administrativas e pedagógicas na UFMS, respeito às instâncias e aos trâmites legais e estatutários dentro da instituição, o pedido de entrega do prédio da seção sindical de Aquidauana por parte da Administração, em fase de negociação, a participação ativa da entidade na realização da Conferência Nacional Popular de Educação (CONAPE), a luta contra as reformas do Governo Temer, as campanhas contra a Lei da Mordaça, as ações judiciais movidas pela assessoria jurídica da entidade.

Assessoria de Imprensa da ADUFMS-Sindicato

Postado em Destaque com foto Tag , ,

Começa o quebra-quebra para a reforma do salão da ADUFMS-Sindicato

Projeto da fachada lateral do salão de eventos após a reforma completa do atual prédio
Operários já começaram a remoção do piso que será totalmente substituído por novo modelo. (Foto Gerson Jara)

O quebra-quebra no salão da ADUFMS-Sindicato começou nesta segunda-feira (09.04). A reforma iniciou com a remoção dos revestimentos (pisos) que já estavam depreciados pelo tempo. A obra está sob a responsabilidade do empreiteiro Ricardo Ricarte de Oliveira e orçada em R$ 200 mil. Prevê a modernização completa do salão de eventos, substituição do piso em todo o espaço, reforma da cozinha e da churrasqueira, pintura interna e externa das paredes, colocação de janelas de vidros temperados na parede lateral de acesso, reforma dos banheiros, novo palco, climatização do ambiente, colocação de isolamento acústico, nova rede elétrica e substituição do telhado de barro por telhas de alumínio com isopor. O término da obras= deverá acontecer no máximo 4 meses.

Mais detalhes! 

Postado em Destaque com foto Tag , ,

Assembleias aprovam novos diretores para preechimento de cargos vagos

Assembleia de Campo Grande aprova nome dos novos diretores da ADUFMS-Sindicato. (Foto Carol Caco)

As assembleias de docentes de Campo Grande, Aquidauana, Corumbá, Nova Andradina, Ponta Porã, e Três Lagoas, aprovaram os novos nomes para preencherem os cargos vagos na atual direção da entidade. O processo de escolha estava aberto a todos os filiados e as filiadas que poderiam se inscreverem mediante e-mail enviando à secretaria administrativa da ADUFMS constando a documentação pessoal e proposta de trabalho.

Os inscritos para compor a nova direção e que tiveram os nomes homologados por maioria presente foram de Antonio Firmino de Oliveira Neto (Divulgação e Imprensa); Milton Augusto Pasquotto Mariani (Formação e Relações Sindicais);  Késia Caroline Ramires Neves (Políticas Educacionais); Silvana Alves da Silva Bispo (Diretora de Três Lagoas) e Carlos  Martins (Diretor do Campus de Aquidauana)

O afastamento dos diretores cargos por vacância aconteceu para tratamento de doenças ou pedido de afastamento para doutorado, pós-doutorado ou transferência de instituição.

Os nomeados exerceram o cargo no período de prorrogação de mandato de  até um ano para atual diretoria, aprovada em assembleia anterior e que visa consolidar o processo de migração da ADUFMS-Sindicato para a nova seção sindical do ANDES-Sindicato Nacional.

Assessoria de imprensa da ADUFMS-Sindicato

 

Postado em Destaque com foto Tag , , , ,