Organização sindical dos docentes e das docentes da UFMS

Again

CGU e PF investigam fraudes no Hospital Universitário da UFMS e no Hospital Regional

Fotos: Valdenir Rezende/Correio do Estado

Operação Again apura sobrepreço em licitações e desvio de materiais hospitalares. Prejuízo apurado é de R$ 3,2 milhões

 

Na quinta-feira 25 de janeiro, o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) participou da Operação Again em Mato Grosso do Sul (fotos). A ação, deflagrada em parceria com a Polícia Federal (PF), visa desarticular organização criminosa responsável por fraudes a licitações e desvios de recursos públicos no Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian (Humap-UFMS) e no Hospital Regional, ambos na capital Campo Grande.

De acordo com as investigações, o esquema fraudava licitações causando sobrepreço nos produtos adquiridos. A apuração constatou ainda o recebimento de produtos com prazo de validade e qualidade inferiores ao previsto nos contratos. Além disso, há indícios de que os integrantes da organização criminosa desviavam os materiais hospitalares – comprados com a finalidade pública de atender à população – para serem utilizados em clínicas particulares.

A organização criminosa também é investigada por tentar dificultar as fiscalizações do CGU. Até o momento, os desvios ocasionaram prejuízo de aproximadamente R$ 3,2 milhões, num universo de R$ 6 milhões em contratos analisados.

O esquema contava com o envolvimento de servidores públicos que recebiam vantagens ilícitas das empresas envolvidas nas fraudes a licitações, com ênfase no setor de hemodinâmica (método diagnóstico e terapêutico que usa técnicas invasivas, como o cateterismo, para obtenção de dados acerca de cardiopatias). As propinas pagas eram dissimuladas de diversas formas, tais como pagamentos de viagens e transferências de veículos de alto valor.

Estão sendo cumpridos 20 mandados de busca e apreensão nas cidades de Campo Grande (MS), Dourados (MS) e Belém (PA), com a participação de aproximadamente 100 policiais federais e 16 auditores do CGU. Dos investigados, dois tiveram decretada medida cautelar de uso de tornozeleira eletrônica. A operação recebeu o nome de “Again” em alusão ao fato de se tratar de esquema semelhante ao desarticulado pela Operação Sangue Frio, em março de 2013, dessa vez com novos integrantes.

 

CGU – Publicado em 25/01/2018, 9h39min. Última modificação: 25/01/2018, 09h47min

Postado em Destaque com foto Tag , , , , , ,