Organização sindical dos docentes e das docentes da UFMS

liberdade

MAIS UMA VOZ FOI CALADA! MAS NÃO CALARÃO A VOZ DE UMA MULTIDÃO!

MARIUZA A. C. GUIMARÃES – Presidenta da ADUFMS-Sindicato, professora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

 

Foto reproduzida de Nossa Política (<https://nossapolitica.net/2018/03/quem-era-marielle-franco/>)

Choro por Marielle (foto) e por tantos que tombaram na luta. Ressuscitaram no facebook um post que atribuem ao pastor Claudio Duarte, por quem tenho admiração e, se fez o comentário, errou. Não é que não nos importamos com as vidas perdidas no Rio de Janeiro. Nos importamos muito, por isso lutamos por um mundo melhor. Por isso Marielle lutava e por isso perdeu sua vida.

Cansaço imenso de tentar explicar que não defendemos bandidos, mas que defendemos a vida, a liberdade, o direito de falar, de morar, de comer e, sobretudo, a dignidade de todas as pessoas.

Que bom seria que as pessoas não precisassem roubar, matar, que o mundo fosse um bom lugar para todos e todas. Que todos os bens pudessem estar disponíveis para todxs. Mas não é assim. Alguns dependem do Estado. Outros dependem de lutadores e lutadoras como Marielle e tantas outras lideranças que perdem as suas vidas e pelas quais choramos, pois sabemos que não se perdeu uma vida, mas que, além disso, calou-se uma voz que defende direitos, que defende dignidade, que defende o amor, a solidariedade, o compartilhamento. Nós, que somos militantes de tantas causas, deixamos nossas vidas para servir. Abrimos mão de família, de privilégios e de tantas outras coisas para lutar pela dignidade de tantos. Choro porque há uma intensa incompreensão do que significa uma vida que luta, que se coloca a serviço de outras pessoas. Nós, lideranças da classe trabalhadora, não temos um exército de pessoas que nos servem, mas continuamos na luta. Muitas vezes o motorista é o amigo, a amiga que se dispõe e que as vezes também perde a vida como aconteceu com o motorista que estava com Marielle, Anderson Pedro Gomes, que apesar de nada ter visto na mídia, deveria também ser um militante, pois assim são os que trabalham com os parlamentares de esquerda.

Choro porque calaram a voz de Marielle, mas acredito firmemente que sua morte não será vã. Outrxs jovens se levantarão em todos os recantos do Brasil. A luta de Marielle e de outrxs, cujas vozes foram caladas continuará.

MARIELLE! PRESENTE!

ANDERSON! PRESENTE!

Postado em Destaque com foto Tag , , , ,

Audiência pública na UFMS debate censura à arte

A audiência pública “Arte! MS contra a Censura” resulta da ação de artistas, estudiosas, estudiosos, professoras e professores contra a repressão à arte no Brasil. Esse tipo de censura acontece em regimes autoritários.

O evento será realizado por meio da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS). A audiência é nesta quinta-feira 5 de outubro a partir das 13h30min na Cidade Universitária Campo Grande, Unidade 6 (ao lado da Biblioteca) da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), porque o auditório do parlamento estadual está sendo reformado.

Debaterão sobre o tema deputados, juristas, curadores/as de arte, conselheiros/as da cultura, docentes de arte, artistas de artes visuais e de teatro. Ao final do evento será redigido um documento para ser encaminhado às autoridades pertinentes e ao público. A proposta de discutir o assunto se deu em razão da censura e apreensão de obra  da exposição Cadafalso da artista mineira Ropre (Alessandra Cunha), no Marco (Museu de Arte Contemporânea) em Campo Grande, no mês passado.

A nudez expressa a plena liberdade do ser humano, da sensibilidade e criatividade do artista. Foto: Jaqueline Bezerra

Para o professor da UFMS e pesquisador de arte contemporânea, Paulo Cesar Duarte Paes, “a referida exposição aborda poeticamente uma denúncia contra o machismo na sociedade brasileira e em nada fere os direitos de crianças e adolescentes, muito menos seria um estímulo à pedofilia”.

A instituição de arte Marco tem conselho e curadorias formados por profissionais qualificadas/os. Houve desrespeito à arte e ao museu. O fato de quatro deputados terem feito um Boletim de Ocorrência contra a exposição não dá à Polícia Civil o direito de reprimir a arte.

O fechamento da exposição Queer em Porto Alegre, a ação policial contra uma performance no Serviço Social do Comércio (Sesc) em Brasília, a investida contras as obras de Gervane de Paula retiradas do Shopping em Cuiabá e a campanha  antiperformance no Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM)  são parte do crescente movimento que é comum em regimes de exceção, autoritários, ditatoriais. Todas e todos estão convidados para esse relevante debate e posicionamento diante do papel da arte na sociedade.

Postado em Destaque com foto Tag , , , , ,

Sobre a decisão de tutela cautelar do Ministério Público Federal contra Ricardo Velho, Maicon Fontanive e os trabalhadores do ‘Campus’ Abelardo Luz: Resistir é necessário!

Foto reproduzida do site do IFC (<http://ifc.edu.br/2014/05/13/campus-abelardo-luz-avancado/>)

Em mais um ataque aos trabalhadores, o Ministério Público Federal, no dia 16 de agosto de 2017, afastou das funções públicas Ricardo Velho – diretor do Campus – e Maicon Fontanive – coordenador-geral pedagógico –, do Instituto Federal Catarinense (IFC) em Abelardo Luz (foto da sede da unidade)  bem como apreendeu seus computadores, telefones celulares e quebrou o sigilo desses e da reitora Sonia Regina.

Esse ataque ocorreu porque os trabalhadores do IFC buscaram uma intervenção articulada com os movimentos sociais do campo, para desenvolvimento das atividades pedagógicas. Tal estratégia educacional, de realização de convênios visando uma aproximação política e educacional com a realidade local, é comum em outros campi dos Institutos Federais do país.

A sede do Campus está localizada a 30 km de distância do centro de Abelardo Luz e é uma conquista da luta do MST e de outros movimentos campesinos da região. Assim, desde sua criação, há uma ação política para que o Campus saia desse local e mude seu caráter formativo e, caso isso não ocorra, tentam fechar esse IFC. Os grandes empresários locais pressionam para que os cursos e os eixos pedagógicos sejam voltados para a preparação imediata de força de trabalho para os grandes frigoríficos e setores do agronegócio da região.

Ou seja, há uma ação política reacionária pela mudança na localização e existência do Campus. Esta ação tem tomado diversas formas. A atual decisão judicial é mais um forte ataque dos setores do agronegócio, por via judicial, agora utilizando força policial em seu favor, frente à resistência e à luta dos movimentos sociais da região.

As denúncias que são elencadas no despacho não se sustentam, são claros ataques e perseguições políticas, não somente aos companheiros citados no processo, mas a todos os trabalhadores comprometidos com a educação que vem atuando no Campus.

Segue alguns pontos da acusação: que o Campus é controlado pelo MST e que o Movimento toma as decisões pela instituição, que foi criado um curso de pedagogia para preparar membros do MST e contratá-los para trabalhar no Campus, que há uma imposição de ideologia de esquerda e do Movimento aos estudantes e trabalhadores da instituição e que por isso estão sendo gerados “danos irreparáveis” a partir do trabalho realizado.

Contra as acusações de ingerência e controle do Movimento destacamos que o Instituo Federal é uma Entidade Pública e por se tratar de um órgão de educação tem por função o diálogo com a comunidade e os movimentos sociais, e isso não pode ser punido ou criminalizado como se pretende com esse processo.

O MST, que é novamente criminalizado com essa ação, é um movimento social organizado de grande referência com a comunidade local e isso não pode ser visto como controle ou ingerência e sim como diálogo. A própria fundação deste Campus foi feita com perspectiva direcionada ao arranjo produtivo local de agricultura familiar, por meio de uma educação do campo. As decisões são tomadas tão-somente considerando isso.

No que se refere ao curso de pedagogia, é preciso ressaltar que a função dos cursos é garantir o preparo dos estudantes para atuar em diversos locais como educadores, atendendo as demandas da comunidade. Destaca-se que todos os trabalhadores do IFC passam por um processo seletivo de concurso público, regido pelas leis nacionais e que verificar que estudantes conseguem inserção em diversos locais de trabalho, inclusive no funcionalismo público, é sinal de que a formação profissional oferecida é adequada.

Destacamos que o termo “Imposição ideológica” é o nome que movimentos conservadores encontraram para perseguir tudo o que se opunha a sua lógica de falsa neutralidade. Que o trabalho realizado no Campus Abelardo Luz tem por objetivo garantir que se respeite a autonomia e liberdade de os trabalhadores, estudantes e comunidade manifestarem e que, mesmo sendo feito nos limites da legalidade, é alvo da ira das classes dominantes.

Por fim, o despacho encerra afirmando que o deferimento se justifica para prevenir danos irreparáveis. Mas quais seriam esses danos? A pessoas em risco? Dano à educação? Ao patrimônio público? Não há absolutamente nenhuma constatação de quais seriam esses danos, somente a ameaça que esse trabalho representa aos interesses dos grupos de poder local.

Como pano de fundo dessa terrível situação, tem-se uma perseguição política escancarada que se soma ao conjunto de perseguições que vários companheiros e companheiras têm passado no Brasil e no mundo.

Todos esses ataques são absurdos e trata-se de clara perseguição política. O Campus Abelardo Luz é uma conquista do MST e de outros movimentos campesinos da região. É mais um caso de escola sem partido que não teve aprovação, mas está cada dia mais forte nas escolas públicas como um todo, também no Instituto Federal. Por meio dessas decisões o objetivo é perseguir, demitir e criminalizar! Não podemos aceitar essas práticas! Somente a organização e luta dos trabalhadores pode conter os avanços desses ataques que se concretizam diariamente. Todo apoio aos camaradas! Todo apoio aos que lutam!

Coletivo em Defesa do Campus Abelardo Luz

Postado em Destaque com foto, Sem categoria Tag , , , , , , ,