Organização sindical dos docentes e das docentes da UFMS

Sindicatos

Concentração em defesa da aposentadoria, da previdência social e do Ministério do Trabalho acontece nesta quinta 22 em Campo Grande

Gazeta Trabalhista

 

Nesta quinta, 22 de novembro, acontece o dia nacional de mobilização em defesa da previdência social, contra mudanças nas regras que prejudicam a aposentadoria e pela manutenção do Ministério do Trabalho.  Em Campo Grande a concentração terá início às 9 horas, em frente à Superintendência Regional do Ministério do Trabalho, na rua 13 maio (quase esquina com a Av. Mato Grosso). A concentração está sendo convocada pelas centrais sindicais, sindicatos, trabalhadores rurais e movimentos sociais que defendem a Previdência.

Segundo Anita Borba, da direção do SINTSPREV-MS, sindicato que representa tanto os trabalhadores do Ministério do Trabalho quanto da Previdência Social, uma vez passada a eleição é preciso que os trabalhadores fiquem alertas. “A previdência é um patrimônio do trabalhador e a razão de os ministérios do Trabalho e da Previdência existirem são os trabalhadores, que contribuem financeiramente todo mês para a manutenção da Previdência e outros direitos assegurados em lei.  E a reforma da previdência atinge a todos, tanto os servidores do órgão como os trabalhadores da ativa e aposentados”

 Previdência não tem déficit, tem sonegação

As entidades contestam também a afirmação de que a Previdência Social é deficitária pois recursos arrecadados são desviados da sua finalidade e existe também a sonegação fiscal, com grandes empresas e bancos devendo bilhões ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Segundo Anita, por trás da reforma da previdência, que inclui a proposta de capitalização individual (uma espécie de poupança para a aposentadoria), existem os interesses dos bancos, do sistema financeiro, que desejam gerir esses recursos bilionários através da previdência privada.

 Esvaziamento do Ministério do Trabalho prejudica a população

A proposta do presidente eleito, Jair Bolsonaro, de extinguir o Ministério do Trabalho pegou os servidores do órgão de surpresa. “Os trabalhadores já estão fragilizados pela reforma trabalhista, onde mais de cem itens foram modificados em prejuízo dos assalariados,  e com a extinção do ministério do Trabalho fica ainda mais”, diz Anita. O órgão é responsável, entre outras funções, pela fiscalização das condições de trabalho e cumprimento da legislação.

Outro sindicato que apoia a realização da concentração é SINTECT-MS (sindicato dos trabalhadores dos Correios). Segundo Elaine Oliveira, presidente da entidade, a reforma trabalhista e da previdência prejudica tanto os trabalhadores públicos como os da iniciativa privada. “Esses ataques aos direitos trabalhistas e previdenciários atinge a todos. O objetivo é retirar direitos adquiridos em anos de lutas e também dificultar a aposentadoria. As eleições passaram, mas as armações no congresso e no governo continuam para aprovarem ainda mais medidas que nos prejudicam. Por isso devemos ficar atentos e mobilizados para barrar esses planos de Temer neste final de mandato”, afirma.

 FETEMS e ACP: trabalhadores da Educação também participam da concentração

Entre as entidades que estão mobilizando para o ato estão a FETEMS e a ACP (federação e sindicato que representam os trabalhadores da Educação de MS e Campo Grande). Para o presidente da FETEMS, Jaime Teixeira, os professores e administrativos da Educação também serão prejudicados com as reformas trabalhista e da previdência, além de enfrentarem um ataque contra à categoria. “Estão querendo transformar os professores em vilões”, diz, referindo-se à “Lei da Mordaça”.

Já o presidente da ACP, Lucílio Nobre, afirma que a entidade está mobilizando os professores da capital para a concentração, pois os temas incluem os trabalhadores da Educação e os ataques atingem todos os trabalhadores.

As centrais sindicais, como a CUT, CTB, Força Sindical e Conlutas, também apoiam a realização da concentração, pois todas são contra as “mudanças” que prejudicam os trabalhadores.

 

 

Postado em Destaque com foto, Sem categoria Tag , , , ,

Assembleia Geral na quarta-feira 6 discute Greve Geral no dia 14 de setembro

A direção da ADUFMS-Sindicato realiza Assembleia Geral na próxima quarta-feira 6 setembro às 8h em primeira convocação no anfiteatro da Faculdade de Artes, Letras e Comunicação (FAALC), antigo Centro de Ciências Humanas e Sociais (CCHS), Cidade Universitária (Campo Grande) e todos os campi  do interior para repassar informações e discutir  adesão à Greve Geral deliberada no 18 de agosto pelas/os representantes de entidades que compõem o Setor das Instituições Federais de Ensino (Ifes) do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN).

O propósito é de organizar um dia nacional de luta em defesa dos serviços públicos e contra a Reforma da Previdência, em articulação com as/os demais trabalhadoras/es da educação, servidoras/es públicas/os e trabalhadoras/es do setor privado.  É uma das atividades incluídas no calendário de lutas aprovado pelo Setor das Ifes.  Na primeira semana de setembro, os docentes realizarão mobilizações para pressionar parlamentares, nos estados, a votar contra a PEC 287/2016, que prevê o desmonte da Previdência Social.

Aqui em Mato Grosso do Sul a  ADUFMS-Sindicato convida todas/os docentes a participar da Grito dos Excluídos, com concentração marcada para às 8h, na rua Maracaju, esquina com a rua 14 de Julho. Além de protestar contra a reforma da Previdência, está em pauta o combate à corrupção, o fim da estabilidade no serviço público e os cortes orçamentários para as universidades.

Renata Rena, 1ª vice-presidente da Regional Leste do Andes-SN e uma das coordenadoras do Setor das Ifes, Renata Rena, afirma que a construção dessa agenda surgiu a partir da reunião ampliada do Fórum de Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe). A instância deliberou pela realização de um dia de luta em setembro em defesa dos serviços públicos e em oposição às contrarreformas. “O Setor das Ifes achou importante definir a data pois já há a indicação de paralisação dos trabalhadores metalúrgicos para o mesmo dia. Vamos apresentar essa proposta ao Fonasefe e a reunião da coordenação nacional da CSP-Conlutas para ser aprovada, e também articular com as demais entidades do Setor da Educação, como Fasubra e Sinasefe”, comenta a docente.

“O momento é agora. Temos que nos mobilizar. É urgente e não podemos esperar. Em várias universidades não há mais recursos para manter seu funcionamento.  Não terminaremos o semestre se a situação se mantiver, e a tendência é que, sem mobilização, a crise deva piorar”, completa Renata Rena.

Outras deliberações

O Setor das Ifes também definiu que os docentes vão articular e fortalecer os Fóruns de Servidores Públicos nos estados, realizando atividades e reuniões ampliadas com a pauta: revogações da EC 95/2016, Contrarreforma Trabalhista e da Terceirização; barrar a contrarreforma da Previdência e o Programa de Desligamento Voluntário.

O Setor das Ifes ainda indicará ao Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) o dia 29 de agosto como um dia nacional de fortalecimento e articulação dos Fóruns Estaduais em defesa do serviço público, e à CSP-Conlutas a realização de uma jornada de lutas para enfrentar os ataques aos direitos sociais, trabalhistas e previdenciários para a construção de uma nova Greve Geral.

Os maiores sindicatos de metalúrgicos do país se reuniram em São Bernardo do Campo (SP) para organizar a luta contra a Lei das Terceirizações e a contrarreforma Trabalhista. Os metalúrgicos preparam uma forte resistência nas ruas, nas fábricas e nas negociações da Campanha Salarial deste ano e, em unidade de ação para barrar os ataques do governo e dos patrões. A categoria marcou um Dia Nacional de Lutas, Protestos e Greves, no dia 14 de setembro. Serão cerca de dois milhões de metalúrgicos mobilizados em todo o país.

Assessoria de imprensa da ADUFMS-Sindicato

Com informações do site do Andes-SN

Postado em Destaque com foto Tag , , , , ,

Paulo Paim conclama novas mobilizações de trabalhadores pela rejeição do PLC 30/2015 da terceirização

JulianaTuratti19220161835 (1)
Trabalhadores e centrais sindicais aprovaram carta de repúdio ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) (JulianaTuratti/AL-MS)

O arquivamento do Projeto de Lei Complementar (PLC) 30/2015 que propõe a regulamentação da terceirização, inclusive nas atividades-fim, é uma batalha que deverá ser enfrentada por todos/as os/as trabalhadores/as e sindicatos com grandes mobilizações nos meses abril e maio. O alerta é do senador Paulo Paim (PT-RS), relator da matéria e que defende a sua rejeição no Senado.

O senador participou de audiência pública na Assembléia Legislativa de Mato Grosso do Sul, na sexta-feira (19-02) promovida conjuntamente com todos as centrais sindicais de trabalhadores/as com representação no Estado.

Aprovação da matéria na Câmara dos Deputados, segundo o parlamentar, aconteceu de forma truculenta, colocada em votação a toque de caixa pelo atual presidente, deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), depois de 11 anos de tramitação. “O projeto viola as conquistas sociais de muitas décadas de história e fragiliza os direitos trabalhistas referendados na Consolidação das Leis do Trabalho. Eu avalio este projeto como impróprio e não aceitável”, afirmou Paim.

O parlamentar lembrou que a terceirização atinge cerca 12 milhões de trabalhadores/as brasileiros/as. Esse segmento lidera o número de acidentes de trabalho, de dez acidentes, oito são de terceirizados. Recebem de 30% a 40% de salários a menos que os/trabalhadores vinculados diretamente à empresa contratante da terceirizada, chegando a até 70% em algumas atividades. São responsáveis por oitenta de cada cem ações trabalhistas, enfrentam alta rotatividade, com 2,5 anos a 3 anos no mercado de trabalho, cumprem jornada de três horas a mais por semana.

Paim explicou que a terceirização segue a lógica de exploração dos/as trabalhadores/as pelo grande capital, guiada pela maximização do lucro e redução dos custos pelas empresas. Outro propósito do PLC 30/2015 é de quebrar as pernas do movimento sindical e a Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Tramitam outras matérias no Congresso que têm os mesmos objetivos. Destaca a Reforma da Previdência, as tentativas constantes de alteração da NR 12, todas alterações defendidas pela Carta Uma Ponte para o Futuro, do PMDB, bancadas majoritárias na Câmara e no Senado.

O projeto da terceirização chegou ao Senado em abril do ano passado, depois de ser aprovado pela Câmara dos Deputados. O texto não usa os termos atividade-fim ou atividade-meio, mas permite a terceirização em qualquer setor de uma empresa.

Já foram realizadas 23 audiências em todo o país e, conforme o senador, o objetivo de passar em todos os 27 estados é buscar subsídios para fundamentar o seu relatório ao PLC. “Eu quero ouvir as pessoas para elaborar um relatório bem fundamentado, assim como apresentar uma proposta aperfeiçoada”.

Para o deputado estadual Lidio Lopes (PEN) há necessidade do debate. “Jamais poderíamos ficar de fora desse debate e nossa posição é contrária ao projeto porque acreditamos nos avanços para os trabalhadores e não podemos rasgar a CLT”, destacou o parlamentar.

Já o deputado Pedro Kemp (PT) lembrou da frase do ex-deputado federal Adão Preto que diz que os/as trabalhadores/as têm que ter um pé na rua e um no parlamento. “A mobilização dos trabalhadores é fundamental porque a representação do capital é muito forte no parlamento. Queremos sim regulamentar o trabalho terceirizado para evitar acidentes, mas não podemos permitir que esse projeto seja aprovado”, avaliou Kemp.

“A terceirização favorece a precarização, o trabalho escravo e infantil e não podemos concordar com isso”, argumentou o coordenador do Fórum em Defesa dos Trabalhadores, Maximiliano Garcez. E o superintendente regional do Ministério do Trabalho e Emprego do Estado de Mato Grosso do Sul (MTE/MS), o advogado Yves Drosghic ,reforçou que “no Brasil não temos um costume de tratar os efeitos e sim as causas dos problemas, mas é necessário igualar os direitos dos terceirizados, porque a cada cinco acidentes, quatro são com terceirizados”.

A representante da Marcha das Mulheres, Fabiana Pereira Machado, acrescentou que as mulheres representam 44% dos trabalhadores do país. “As mulheres sofrerão muito se o projeto for aprovado, porque o aumento de carga de trabalho vai ter reflexo dentro de casa, somos a favor do fim da terceirização em todos os sentidos”.

Como encaminhado da audiência pública, foi aprovada por unanimidade e na íntegra uma carta de repúdio ao atual texto aprovado pela Câmara dos Deputados ao PLC 30/2015. Participaram também dos trabalhos os deputados Amarildo Cruz e Cabo Almi , ambos do PT, além de diversos representantes de entidades da classe trabalhadora.

As próximas audiências serão em Aracaju (Sergipe) no dia 25 de fevereiro, Maceió (Alagoas) no dia 26 de fevereiro, Palmas (Tocantins) em 10 de março e Goiânia (Goiás) em 11 de março. E para maio está programado um ato em Brasília que reunirá entidades sindicais de trabalhadores de todo país.

Assessoria de Imprensa da ADUFMS-Sindicato

Com informações do portal www.al.ms.gov.br

Postado em Destaque com foto Tag , , , , ,