Brasil perdeu 83,8 bi em educação federal nos últimos sete anos, aponta estudo

14 jun, 2022 Educação

Professores recebem homenagem em celebração ao centenário de Paulo Freire

Um levantamento recente realizado pelo Observatório do Conhecimento revela que, em sete anos, o orçamento para a educação federal no Brasil perdeu 83,8 bilhões de reais. O estudo também estima que as perdas no investimento em educação e ciência sejam em torno de 98,8 bi e que possam chegar a 100 bi em 2022.

Em 2014, primeiro ano da série histórica analisada pelo relatório, o orçamento destinado à educação superior foi de 27,81 bilhões de reais. Em 2021 esse valor foi de 10,57 bi – ou seja, apenas 38% do que foi destinado naquele ano, podendo haver uma perda ainda maior neste ano.

O documento aponta que, “para que o valor empenhado em 2014 no Orçamento do Conhecimento tivesse se mantido constante em termos reais, quase R$ 84 bilhões deveriam ter sido gastos a mais nestas áreas, relativas ao Ensino Superior, Pesquisa e Inovação”. Todos os custos da UFRJ, por exemplo, somaram 3,3 bilhões de reais em 2021. O estudo demonstra que, caso o investimento não tivesse reduzido drasticamente, este valor seria suficiente para manter 665.230 bolsas de mestrado durante sete anos ininterruptos.

Vale lembrar que o governo de Jair Bolsonaro, desde o início, tem atacado a educação superior. Ainda em 2019, o ex-ministro Abraham Weintraub anunciou um congelamento de 30% no orçamento para instituições federais, que acusou de servirem como espaço de “balbúrdia” e de “plantarem maconha”. No mesmo ano, realizou cortes que inviabilizaram 11 mil bolsas de pós-graduação.

Em 2022, Bolsonaro bloqueou 14,5% do repasse para custeio e investimento nas universidades e institutos federais, o que representa uma quantia de 3 bilhões de reais em toda a verba para instituições federais de ensino. Enquanto isso, o governo destinou 699 milhões de reais a parlamentares de seu partido, o PL, pelo chamado “orçamento secreto”, ou seja, verbas liberadas sem necessidade de justificativa e cujos beneficiários não tinham seus nomes divulgados, até determinação do STF exigindo a identificação de quem utilizou o recurso.

Para conferir o relatório do Observatório do Conhecimento, clique aqui.

 

Compartilhe: